Ordem na Fiat é respirar fundo para manter a ponta

Quando o Jeep Renegade foi lançado no Brasil, a FCA foi bastante questionada sobre a vinda do motor 2.4 Tigershark para o então recém-lançado SUV. Na ocasião, a marca negou a intenção de lançá-lo por aqui, o que realmente acabou não acontecendo a não ser no modelo destinado à exportação.

Tudo por causa do IPI: enquanto o 1.8 paga 11%, o 2.4 pagaria 18%. Picapes não sofrem acréscimo de impostos dependendo do tamanho do motor. O IPI para elas é sempre de 8%.

Com isso, a estratégia para a Fiat Toro foi diferente e ela passou a contar com a motorização mais forte menos de um ano depois de seu lançamento. Chegou a hora de contar como ela anda, não sem uma rápida apresentação.

Sucesso de vendas, como têm sido todos os modelos produzidos na fábrica de Pernambuco, a Toro deve fechar o ano na liderança das picapes não compactas. Ela não é exatamente uma média, mas está mais próxima em porte e preço de modelos como S10 e Hilux, e ganha mais um argumento de vendas com a nova versão.

Elogiada pelo conforto de rodagem e excelente dinâmica, qualidades que se repetem nesta nova versão, a Toro 2.4 Flex segue o mesmo visual dos demais modelos. Se comparada à 1.8 flex, a Toro 2.4 é igual por dentro e por fora, a não ser pelo logotipo “AT9” no lugar do “AT6” e pelos novos botões para o modo Sport e stop/start, exclusivos deste modelo mais potente.

Se comparada à Freedom com motor flex, a Freedom Tigershark ganha novos itens de série: retrovisores com função tilt-down, capota marítima, sensor de monitoramento da pressão dos pneus e iluminação do assoalho quando se abrem as portas.

No mais, o pacote de equipamentos conta com ar-condicionado digital de duas zonas, direção com assistência elétrica, vidros elétricos nas quatro portas, brake light, luz de caçamba, volante multifuncional revestido em couro, borboletas para trocas de marcha e rodas de liga leve de aro 16″.

Principal novidade da picape, o motor 2.4 Tigershark entrega 186 cv a 6.400 rpm e 24,9 kgfm de torque máximo a 4.000 rpm com etanol – 174 cv e 23,5 mkgf, com gasolina. Destaque para o cabeçote MultiAir 2, que varia o tempo e abertura das válvulas de admissão.

COMPARTILHE