Curta nossa página


Novo Netuno

Cientistas anunciam exoplaneta mais denso que o aço

Publicado

Autor/Imagem:
Fantine Gardinier/Via Sputniknews - Foto Reprodução

Os astrônomos descobriram um novo e bizarro exoplaneta que pensam ser o resultado de uma colisão entre pelo menos dois outros planetas. O exoplaneta designado TOI-1853b está a cerca de 542 anos-luz da Terra e é um pouco menor que Netuno.

No entanto, uma equipa da Universidade de Bristol, no Reino Unido, e da Universidade de Roma Tor Vergata, em Itália, descobriu que este planeta aparentemente normal é invulgarmente denso: enquanto Netuno tem cerca de 17,15 vezes a massa da Terra, TOI-1853b tem uma massa impressionante. de 73,2 vezes a massa da Terra, ou quatro vezes a massa de Netuno.

Em termos de comparação, isso significa que TOI-1853b tem uma densidade de 9,7 gramas por centímetro cúbico, que não é apenas mais denso que Netuno (1,64 gramas por centímetro cúbico) ou Terra (5,15 gramas por centímetro cúbico), é mais denso que o aço também, que tem uma densidade de cerca de 8,05 gramas por centímetro cúbico.

Planetas rochosos maiores que a Terra são conhecidos pela ciência: apelidados de “super-Terras”, estima-se que o maior, Kepler-277c, tenha uma massa 64 vezes maior que a da Terra e cerca de dois terços do diâmetro de Netuno, com uma densidade próxima o de TOI-1853b.

No entanto, de acordo com as teorias prevalecentes sobre a formação de planetas, mundos rochosos desse tamanho não deveriam existir, e deveriam ser maijoritariamente gasosos, como os planetas gigantes do nosso próprio sistema solar. De acordo com o novo artigo dos astrônomos, esses mundos enormes poderiam ser aglomerações de outros mundos rochosos menores.

“Este planeta é muito surpreendente! Normalmente esperamos que os planetas formados com tanta rocha se tornem gigantes gasosos como Júpiter, que têm densidades semelhantes às da água”, disse o físico Jingyao Dou, da Universidade de Bristol, num comunicado à imprensa.

“TOI-1853b é do tamanho de Netuno, mas tem uma densidade maior que o aço. Nosso trabalho mostra que isso pode acontecer se o planeta experimentou colisões planeta-planeta extremamente energéticas durante sua formação. Essas colisões removeram parte da atmosfera mais leve e da água, deixando um planeta de alta densidade e substancialmente enriquecido com rochas.”

Phil Carter, pesquisador associado sênior da Escola de Física de Bristol e coautor do estudo, disse que a equipe modelou impactos gigantes extremos, capazes de remover a atmosfera mais leve e a água/gelo do planeta, a fim de produzir a densidade extrema vista no TOI-1853b.

“Descobrimos que o corpo planetário inicial provavelmente precisaria ser rico em água e sofrer um impacto gigante extremo a uma velocidade superior a 75 km/s para produzir TOI-1853b como é observado”, explicou Carter.

“Não tínhamos investigado anteriormente impactos tão gigantescos e extremos, pois não eram algo que esperávamos”, disse Zoë Leinhardt, física da Universidade de Bristol.

“Há muito trabalho a ser feito para melhorar os modelos de materiais subjacentes às nossas simulações e para ampliar a gama de impactos gigantes extremos modelados.”

As colisões planetárias também podem não ser desconhecidas no nosso sistema solar: uma teoria sobre a formação da lua da Terra, que é muito semelhante em termos de composição à Terra, sustenta que a lua se formou a partir de material ejetado por uma colisão entre a Terra e outro planeta- objeto de tamanho que foi posteriormente destruído durante a formação do sistema solar.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2024 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.