Curta nossa página


Movimento de 1,5 mi

Apoio ao artesanato impulsiona arrecadação e vendas no setor

Publicado

Autor/Imagem:
Adriana Izel/Agência Brasília - Foto Divulgação

O artesanato tem tido mais destaque a cada ano no Distrito Federal. Em 2023, o segmento bateu o maior número de arrecadação com a comercialização de produtos, alcançando um total de R$ 1.561.322,333. No mesmo ano, a capital ultrapassou a marca de 14 mil artesãos regulamentados no Sistema de Informações Cadastrais do Artesanato Brasileiro (Sicab). Entre as influências para o crescimento estão as ações do GDF em favor da categoria, que vão desde capacitação até a disponibilização de mais espaços de venda.

“Temos ampliado o leque de atuações dos artesãos em duas etapas. Primeiro, promovendo a qualificação deles, principalmente, para ensiná-los a precificar e produzir com excelência. Depois, ampliando a participação deles em shoppings e feiras que ocorrem no Distrito Federal. A nossa ideia é conectar o artesão onde está o público para que ele possa vender”, afirma o secretário de Turismo, Cristiano Araújo.

Só este ano, cinco feiras nacionais vão acolher os artesãos no DF, a exemplo do Salão do Artesanato e da Expotchê. O GDF também investe em editais que garantem a participação dos profissionais locais em eventos fora de Brasília. Em média, são dez expositores selecionados por evento que contam com auxílio do transporte das mercadorias feito pela Secretaria de Turismo do DF (Setur). Em 2024, os artistas já estiveram em feiras tradicionais de Recife, em Pernambuco, e de Fortaleza, no Ceará.

Paralelamente às feiras, o governo garante um local de comercialização nas lojas Artesanato de Brasília, atualmente disponíveis nos shoppings Pátio Brasil, no Plano Piloto, e Alameda, em Taguatinga. “Temos duas lojas e estamos lançando uma terceira. Em cada uma, os artesãos ficam durante três meses expondo suas peças”, explica o chefe de Unidade de Promoção ao Artesanato e ao Trabalho Manual (Unart) da Setur, Klever Antunes.

A seleção é feita por meio de um edital de chamamento público que leva em consideração produtos que fazem referência à identidade de Brasília. “Procuramos atender produtos que têm mais a cara de Brasília, como crochê, bordado, flor do Cerrado e ipês”, complementa o gestor.

A artesã Laiane Lopes, 34 anos, é uma das beneficiadas pela loja do artesanato. Ela acumula três participações no estabelecimento do Pátio Brasil, onde expõe os produtos feitos com crochê e também atua como vendedora. “Para todos os artesãos, aqui é uma vitrine. O nosso produto está no centro de Brasília, e a hotelaria é próxima. Os turistas acabam vindo. Ajuda a gente ser visto por Brasília e pelo Entorno”, defende. Laiane atua como artesã profissionalmente desde 2018.

No sábado (8), foi lançada mais uma unidade da loja Artesanato de Brasília na Feira do Guará, onde serão atendidos 15 profissionais pelo período de três meses, quando um novo edital será lançado beneficiando outros artesãos. Um quarto estabelecimento está em negociação para ser montado no shopping Conjunto Nacional.

“As lojas conectam o artesão ao público. Todos esses lugares estão em áreas populares e são preparados para receber os profissionais e os clientes”, afirma o secretário de Turismo.

Atualmente o DF conta com mais 14 mil artesãos registrados. O cadastro pelo Sistema de Informações Cadastrais do Artesanato Brasileiro (Sicab) é fundamental para que os profissionais tenham acesso às políticas públicas do GDF

Outras medidas
Linhas de microcrédito e auxílio na qualificação são outras ações do GDF para o segmento. A primeira tem apoio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Renda do DF (Sedet) por meio do Prospera, uma modalidade de financiamento voltada para artesãos devidamente registrados na profissão. O valor do microcrédito pode chegar até R$ 2,5 mil. Até março, a pasta havia liberado mais de R$ 349 mil em 11 contratos.

Já a capacitação profissional ocorre com iniciativas tanto da Setur quanto da Sedet. Parte conta com suporte do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do DF (Sebrae). Entre os cursos ofertados estão os de técnicas de redes sociais, fotografia e marketing digital.

Importância do registro
Atualmente o DF conta com mais 14 mil artesãos registrados. O cadastro pelo Sistema de Informações Cadastrais do Artesanato Brasileiro (Sicab) é fundamental para que os profissionais tenham acesso às políticas públicas do GDF.

“Para participar dos chamamentos públicos e ter autorização para expor em qualquer lugar, o artesão precisa ter a carteirinha. Essa é uma forma que ele tem de comprovar a profissão, além de ser um dos requisitos para expor. Se ele não tiver, não consegue”, revela o chefe da Unart, Klever Antunes.

O registro deve ser feito na Coordenação de Promoção do Artesanato, localizada na 507 Sul, Bloco C. O interessado precisa levar as cópias do RG, CPF e do comprovante de residência, além de duas peças prontas e um vídeo de dois minutos em que esteja fabricando as peças em um ateliê.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2024 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.