Curta nossa página


Versão pão na chapa

Ato bolsonarista naufraga com ausência de 213 milhões de brasileiros

Publicado

Autor/Imagem:
Mathuzalém Júnior - Foto Antônio Cruz/ABr

Em defesa dos arroubos eleitoreiros e dos pedidos de socorro do mártir e ex-presidente Jair Messias, cerca de 500 mil apoiadores do bolsonarismo, os denominados “patriotas”, atenderam o pedido do “mito” e lotaram a ensolarada Avenida Paulista no domingo (25). É claro que o quantitativo é relevante para quem está alijado da política. No entanto, é irrelevante, na medida em que faltaram mais de 213 milhões de brasileiros para abonar as teses de Bolsonaro sobre perseguição, injustiça e derrota por causa de fraudes na Justiça Eleitora. Ou seja, quase três terços da população já está de saco cheio dessa embromação que, antecipadamente, todos sabiam que em nada daria. E não deu mesmo. Além do desfile de vassalos, entre eles quatro governadores e alguns arremedos de deputados, o resultado prático foi acima de zero.

Luiz Inácio Lula da Silva é o presidente, o Supremo Tribunal Federal e a Polícia Federal estão concluindo o processo e Jair se mantém inelegível. Como o Supremo Tribunal Federal e a Polícia Federal estão bem próximos de concluir o processo sobre o golpe de 8 de janeiro de 2023, em breve o cidadão deve ser conduzido democraticamente a uma nova moradia. Ainda que a maioria me inclua na conta dos que têm má vontade com Bolsonaro e sua trupe, podem acreditar que não tenho. O que não dá para aceitar é ele passar o mandato de Luiz Inácio tentando desacreditar o sistema eleitoral, consequentemente o resultado da eleição de 2022 sem prova alguma.

Pior é negar a tentativa de um golpe articulado ao vivo e em cores e, voluntária ou involuntariamente, confirmado por um de seus principais colaboradores, o tenente-coronel Mauro Cid. Seria muito mais bonito e elegante – e realmente democrático – se Jair Messias e seus seguidores tivessem esperado 2026. Disputariam a eleição e, baseado no “chupado” tripé pátria, liberdade e família, poderiam voltar ao Palácio do Planalto. O povo não aceita mais quem quer que seja querer ganhar no grito ou na força algo que precisa ser disputado. Lula esperou o tempo certo e voltou. Façam o mesmo.

Apesar de alguns discursos cristalinamente equivocados, ficou claro que a turma bolsonarista mudou o tom. Aliás, com certa maestria, eles alteram o tom conforme a situação e as circunstâncias. Como sabiam que eram monitorados, abandonaram a antiga versão canhão cheio de fumaça e apresentaram ao distinto público brasileiro a versão “pão na chapa” dos bolsominions. Durante a manifestação, a gritaria, xingamentos e ameaças deram lugar às orações com os olhos bem abertos. Quanto aos equívocos, o primeiro deles partiu do governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas, que usou o microfone para assegurar que o ex-presidente nunc a pegou nada para si. Baseado em outro processo da PF, voto contra o relator.

O outro, mais grave, foi de autoria do pastor Silas Malafaia que, citando o STF e o ministro Alexandre de Moraes, afirmou que existe uma “engenharia do mal para prender” Bolsonaro. Até onde o Brasil inteiro sabe, quem usa de engenharia maldosa para tirar dinheiro dos incautos não é Xandão. Como se fosse um boneco de posto de gasolina pousado no alambrado do trio elétrico, o mesmo Malafaia sugeriu, sem dados comprobatórios, que Lula sabia do 8 de janeiro. Provavelmente a ideia partiu de um outro desses falsos profetas do apocalipse, para os quais, fora o sagrado dízimo, qualquer besteira vira um acontecimento incontestável.

Supostamente num ato falho na Avenida Paulista, Jair, depois do silêncio na PF, entregou a rapadura: assumiu, mas minimizou, a existência da tal “minuta do golpe”. Com isso, o “evento” bolsonarista acabou servindo para mostrar aos “patriotas” que não há argumento que supere fatos irrefutáveis. Por fim, pedir ao Congresso um projeto de anistia para “os pobres coitados” que vandalizaram as sedes dos Três Poderes da República não significa necessariamente preocupação, solidariedade ou pena dos terroristas do 8 de janeiro do ano passado.

Na verdade, Bolsonaro está antecipadamente legislando em causa própria. Com os dois pés no xilindró, ele seria o principal favorecido caso deputados e senadores aceitassem essa absurda e criminosa sugestão. Logicamente, a ideia não vai colar, pois, como diz o ditado, Deus pode dar coturno e baioneta a manipuladores da inocência alheia, mas se recusa a dar asas às cobras.

*Mathuzalém Júnior é jornalista profissional desde 1978

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2024 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.