Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Tensão no Pacífico

Austrália cria linha vermelha contra avanço chinês

Publicado

Foto/Imagem:
Bartô Granja, Edição - Foto Reprodução

O pacto de segurança China-Ilhas Salomão provocou um desconforto significativo entre os EUA e seus aliados do Pacífico. Uma delegação dos EUA alertou abertamente o governo das Ilhas Salomão, dizendo que qualquer passo para estabelecer uma presença militar permanente de Pequim na nação do Pacífico Sul receberia uma forte resposta.

Seguindo esse raciocínio, a Austrália emitiu um alerta sobre o pacto de segurança Ilhas Salomão-China após esforços significativos dos EUA e seus aliados para impedir o acordo. O ministro da Defesa, Peter Dutton, disse que a Austrália só poderia preservar a paz preparando-se para a guerra.

“A única maneira de preservar a paz é se preparar para a guerra e ser forte como país. Não se acovardar, não se ajoelhar e ser fraco. Essa é a realidade”, disse Dutton sobre a decisão do primeiro-ministro Scott Morrison. E antecipou que a Austrália estava estabelecendo uma linha vermelha no Pacífico sobre o pacto de segurança Ilhas Salomão-China.

O ministro disse que não é do interesse da Austrália a longo prazo permanecer ignorante sobre os incidentes que acontecem na região. “O acordo que firmamos com os aliados e particularmente com os Estados Unidos e o Reino Unido, e agora com o Japão e a Índia, são todos países que querem a paz e a preservação dessa paz em nossa região”, acrescentou Dutton.

Dutton comparou a atual situação geopolítica à década de 1930 e instou os países a se manifestarem contra as agressões em todo o mundo. “Estamos em um período muito semelhante à década de 1930 agora, e acho que havia muitas pessoas nos anos de 1930 que gostariam de ter falado muito no início da década. Acho que essa é a realidade sóbria de onde estamos”, calculou.

O governo de Scott Morrison vem enfrentando intensa reação da oposição, com os trabalhistas classificando o pacto Ilhas Salomão-China como o fracasso de política externa mais significativo da Austrália desde a Segunda Guerra Mundial. Mais de 17 milhões de australianos votarão para eleger o próximo governo do país em 21 de maio.

Pequim anunciou o pacto na semana passada, dias antes da chegada de uma delegação de alta potência da Casa Branca em Honiara. Os EUA disseram que tomariam medidas não especificadas contra a nação do Pacífico Sul se Pequim mantiver qualquer presença militar lá. O primeiro-ministro australiano Morrison disse que compartilha a mesma linha vermelha que os EUA têm sobre o pacto de segurança. “Não teremos bases navais militares chinesas em nossa região, à nossa porta”, disse Morrison.

A Embaixada da China em Honiara reagiu às advertências, dizendo que Pequim se opõe à intenção de qualquer terceiro de interferir na cooperação entre a China e as Ilhas Salomão como estados soberanos. A embaixada disse que o aviso expôs os atos condescendentes de desrespeito dos EUA em relação a outras nações.

Publicidade
Publicidade