Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


truque sorrateiro

Bactérias driblam antibióticos e viram ameaça às vidas humanas

Publicado

Foto/Imagem:
Bartô Granja, Edição - Foto Reprodução

Embora os antibióticos possam inicialmente ajudar a lidar com as bactérias, a longo prazo, elas ganham resistência e os cientistas precisam criar tratamentos alternativos. Novas pesquisas lançaram luz sobre exatamente como as bactérias aprenderam a fazer isso.

Pela primeira vez, os cientistas observaram um truque sorrateiro que as bactérias usam para contornar o tratamento com antibióticos, e acontece que os micróbios realmente usam seus próprios hospedeiros humanos para esse propósito.

De acordo com uma nova pesquisa liderada por. Timothy Barnett, chefe da equipe de Patogênese e Diagnóstico de Strep A no Centro Wesfarmers de Vacinas e Doenças Infecciosas, com sede no Telethon Kids Institute em Perth, isso se deve principalmente ao uso excessivo de antibióticos.

“Ao olhar para um antibiótico comumente prescrito para tratar infecções cutâneas por estreptococos do grupo A, encontramos um mecanismo de resistência onde, pela primeira vez, a bactéria demonstrou a capacidade de tomar folatos diretamente de seu hospedeiro humano quando impedida de produzir seus próprios. Isso torna o antibiótico ineficaz e a infecção provavelmente pioraria quando o paciente deveria estar melhorando”, explicou Barnett.

O caso é que alguns antibióticos funcionam bloqueando a produção de ácido fólico pelas bactérias, que os micróbios precisam para crescer e se desenvolver, impedindo-os de evoluir e interromper a infecção. No entanto, as bactérias parecem contra-atacar e, na verdade, infestam os hospedeiros humanos para se defender.

A pior parte? Essa forma nunca antes vista de resistência antimicrobiana (AMR) parece ser “indetectável em condições rotineiramente usadas em laboratórios de patologia”, tornando difícil para os médicos prescrever antibióticos adequadamente quando necessário.

“Infelizmente, suspeitamos que isso seja apenas a ponta do iceberg – identificamos esse mecanismo no Strep do Grupo A, mas é provável que seja um problema mais amplo em outros patógenos bacterianos”, acrescentou Barnett.

Os cientistas, no entanto, tentam manter a esperança, embora as descobertas indiquem que a humanidade pode se encontrar em um ciclo vicioso em que os antibióticos continuam sendo a única maneira de impedir infecções mortais, mas seu uso excessivo leva a uma maior resistência das bactérias.

“Para preservar a eficácia dos antibióticos a longo prazo, precisamos identificar e entender melhor os novos mecanismos de resistência aos antibióticos, o que ajudará na descoberta de novos antibióticos e nos permitirá monitorar a RAM à medida que ela surgir”, concluiu Barnett.

Publicidade
Publicidade