Curta nossa página


Casal devoto

Bebês fecham olhos para não ver golpe dos pais

Publicado

Autor/Imagem:
Eduardo Martínez - Foto Irene Araújo

Aquele casal era, aos olhos de todos, o mais puro sinônimo de austeridade. Devotos dos mais fiéis da igreja, Anita e Gumercindo sorriam aquele sorriso largo para todos, como se a felicidade os acompanhasse graças aos preceitos rigidamente pregados pelo pastor da igreja ali da quadra. Novos no lugar, logo ganharam o respeito e, melhor ainda, a simpatia dos moradores.

Aos domingos, fizesse sol ou chuva, não importava, lá estavam aqueles dois. Anita trajava um casto vestido tão longo, que mal dava para notar aqueles singelos sapatos de dois centímetros de salto. Gumercindo, por sua vez, sempre de terno cinza ou preto, o que lhe conferia uma aparência digna. Para completar o quadro perfeito, ora um, ora outro empurrava o carrinho onde repousavam os gêmeos, recém nascidos, Isaías e Jacó. Sim, nomes bíblicos para não restar dúvida do comprometimento daquela família.

Anita tratou logo de se enturmar com as beatas, com quem dividia o tempo em caridades. Tricotava paninhos, que eram distribuídos entre os mais carentes. De tão ligeira com as mãos, até as mais velhas não percebiam os pequenos defeitos nas peças produzidas. Mas que mal faria se percebessem? Nenhum, sempre diria alguém mais complacente. Afinal, o importante é que aquela mulher dedicava a vida para aplacar as mazelas do próximo.

Dedicada esposa e mãe, Anita se sentava com as mulheres nas reuniões da igreja. Gumercindo, por sua vez, era o centro das atenções entre o grupo dos homens. De tão envolvente, o pastor lhe concedia alguns momentos no púlpito. E lá ia o Gumercindo, todo empertigado, ler um Salmo aqui, outro ali.

Apesar da pouca afinação, não raro o casal fazia questão de acompanhar o coral. Até a Lindaura, a voz principal da igreja, se sentia maravilhada com aquela participação. Talvez porque tivesse uma quedinha pelo Gumercindo, talvez até pela Anita. Pelos dois? Vai saber!

Os dias que se seguiram foram muito corridos para todos os membros daquela igreja. No final do mês, haveria uma grande festa para arrecadar fundos para a construção do novo templo. Uma pequena fortuna, mas nada que os devotos não pudessem alcançar, ainda mais depois de tanta louvação ao Senhor. Anita, ocupada com uma febre repentina que acometera os filhos, quase não pode ajudar nos preparativos. Já Gumercindo, que fora alçado a uma posição de comando pelo próprio pastor, tomou gosto pela coisa.

Chegou o grande dia. A festança foi um sucesso maior que o esperado. O público foi tão grande, que alguém poderia dizer que tinha gente saindo pelo ladrão. Pois é, no final das contas, a quantia daria até para quase dois templos, caso os fiéis assim desejassem. Aquela enorme quantidade de dinheiro foi colocada em um malote de bom tamanho. Mesmo assim, era nítido que, de tão estufado, todas aquelas notas e moedas poderiam ter sido postos em dois.

O pastor, agradecido pela generosidade de todos os presentes, puxou um sermão de quase meia hora. Ainda teve tempo para conclamar duas ou três canções religiosas. Após o último agudo de Lindaura, o pastor agradeceu pela presença de todos. As pessoas foram se dispersando, até que não havia mais ninguém no local. O pastor, então, tratou de guardar o rico malote na igreja, numa sala trancada a sete chaves, caso realmente existissem ali sete fechaduras.

Já era manhã avançada, quando o pastor e alguns fiéis entraram na igreja. O intuito era auferir os ganhos. Ao darem a última volta na chave, para espanto de todos, o malote havia sumido. O pastor ainda tentou conter o próprio desespero. Talvez tivesse colocado o malote em outro lugar. Que nada! Logo percebeu que havia sido ali mesmo.

Desesperado, correu para a casa do casal recém chegado. Com certeza, o sábio Gumercindo saberia dar uma solução para aquela situação. Diante da porta, tocou a campainha. Nenhuma resposta. Bateu à porta. Nenhuma resposta. Aquele silêncio o transtornou tanto, que não teve capacidade de evitar esmurrar a porta, que se abriu lentamente.

O pastor entrou na casa. Ele chamou pelo Gumercindo. Nenhuma resposta. Tornou a chamar. Nada! Arriscou o nome de Anita, até que, diante de si, viu o carrinho dos gêmeos. Ele se aproximou e constatou que os bebês mantinham os olhos fechados, como se dormindo o sono dos anjinhos. O pastor esticou a mãos para acariciar aqueles rostos rosados quando, finalmente, abriu seus próprios olhos para a realidade. Os bebês eram, na verdade, bonecos. Anita e Gumercindo, dois picaretas, haviam furtado todo o dinheiro e fugido para não se sabe onde.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2024 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.