Curta nossa página


Estados Unidos

Biden e Trump definem dois debates na corrida sucessória

Publicado

Autor/Imagem:
Nandita Bose e Nathan Layne/Via Start Daily - Foto Reprodução

O presidente dos EUA, Joe Biden, e o rival republicano Donald Trump concordaram em se enfrentar em dois debates em 27 de junho e 10 de setembro, estabelecendo os momentos de maior risco até agora na corrida pela Casa Branca.

“Como você disse: em qualquer dia, a qualquer hora, em qualquer lugar”, disse Biden nas redes sociais.

Trump chamou Biden de “o pior debatedor” que já enfrentou. “Estou pronto e disposto a debater Crooked Joe nos dois horários propostos, em junho e setembro”, postou ele nas redes sociais.

A CNN anunciou que o primeiro debate será realizado em seu estúdio em Atlanta, sem público, moderado pelos âncoras Jake Tapper e Dana Bash. A Geórgia é um dos estados mais disputados de Novembro.

Os candidatos também aceitaram o convite da ABC, que realizará um segundo debate no dia 10 de setembro. Um debate vice-presidencial separado foi proposto para julho, após a Convenção Nacional Republicana.

As principais diferenças entre os dois lados permaneceram nos termos do compromisso. Biden disse que participaria desses dois debates sob regras estritas para reduzir interrupções, enquanto Trump pediu mais de dois – e um local muito grande “para fins de excitação”.

O candidato presidencial independente Robert F. Kennedy Jr, afirmou em uma nova postagem no X que atenderá aos critérios para participar do debate da CNN antes do prazo final de 20 de junho. Ainda não está claro se ele se qualificará.

A CNN exige que os seus candidatos ao debate apareçam num número suficiente de boletins de voto estaduais para atingir o limite de 270 votos eleitorais e receber pelo menos 15% em quatro sondagens nacionais separadas de eleitores registados ou prováveis. Uma nova pesquisa Reuters/Ipsos mostrou que apenas 13% dos norte-americanos votariam em Kennedy. Ele afirma que Biden e Trump “estão tentando me excluir do debate porque têm medo de que eu ganhe”.

Os debates, que atrairão uma audiência televisiva de milhões de eleitores, estão repletos de riscos para ambos os candidatos, que enfrentam uma disputa renhida e pouco entusiasmo por parte da sociedade.

Os assessores de Biden acham que os debates podem prejudicar Trump ao expor as suas posições sobre questões, incluindo o aborto, que consideram vulnerabilidades políticas.

Já os assessores de Trump consideram Biden propenso a deslizes verbais que poderiam ampliar as preocupações dos eleitores sobre a idade do presidente de 81 anos. Trump terá 78 anos quando o primeiro debate for realizado.

“Ambos os candidatos estarão sob maior escrutínio do que nunca devido à sua idade”, disse Alan Schroeder, professor emérito da Northeastern University que escreveu o livro “Debates Presidenciais: Negócios Arriscados no Julgamento de Campanha”. Ele chamou o debate de “um dos únicos momentos em que os candidatos não têm controle total”.

A proposta de debate de Biden, a primeira oferta formal da sua campanha, abandonou a tradição de décadas de três debates no outono e apelou a negociações diretas entre as campanhas de Trump e Biden sobre as regras.

Questionado sobre qualquer preferência por formato ou tópico, o porta-voz da campanha Biden-Harris, Michael Tyler, disse que alguns detalhes ainda precisam ser acertados.

A decisão de aceitar debates mostra que Biden está disposto a correr um risco calculado para aumentar os seus números nas sondagens de opinião, numa corrida em que está atrás de Trump em estados-chave. Além de sua idade, os eleitores continuam preocupados com a forma como Biden lida com a economia.

Trump, que se recusou a debater com seus rivais durante a corrida pela indicação republicana, tem desafiado Biden nas últimas semanas para um confronto individual com ele, argumentando que os debates deveriam ser realizados antes do início da votação antecipada em alguns estados. Ele disse ao apresentador de rádio conservador Hugh Hewitt que o debate deveria durar duas horas e que ambos os homens deveriam ser obrigados a se levantar.

A equipe de Biden solicitou anteriormente que apenas as redes de transmissão que hospedaram debates primários republicanos em 2016 e debates primários democratas em 2020 fossem elegíveis para sediar este ano. Apenas quatro redes acolheram debates para ambos os partidos durante esses ciclos eleitorais: CNN, Telemundo, CBS News e ABC News.

A equipe de Biden não deu sinais de aceitar o convite de Trump para mais debates. Um porta-voz da campanha de Biden não quis comentar o assunto.

Biden disse que não participaria nos tradicionais confrontos televisivos organizados pela Comissão de Debates Presidenciais, rejeitando a organização apartidária que os administra desde 1988.

Trump também manifestou interesse em contornar a comissão, e o Comité Nacional Republicano anunciou em 2022 que o partido abandonaria completamente o sistema de debate da comissão.

Numa carta explicando a decisão da campanha de Biden, a presidente da campanha, Jennifer O’Malley Dillon, citou as lutas anteriores da comissão para impedir que os candidatos violassem as regras do debate. Ela notificou a comissão de que Biden não participará dos três debates eleitorais patrocinados pelo grupo, que estão agendados para 16 de setembro, 1º de outubro e 9 de outubro.

“Os debates devem ser conduzidos para o benefício dos eleitores americanos, assistindo-os pela televisão e em casa – não como entretenimento para uma audiência presencial com partidários e doadores barulhentos ou perturbadores, que consomem um tempo valioso de debate com espetáculos barulhentos de aprovação ou zombaria”, disse Dillon.

A campanha de Biden também pressionou por um debate que ocorreria antes do início da votação antecipada e sem a participação de Robert F. Kennedy Jr. ou de quaisquer outros candidatos independentes ou de terceiros.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2024 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.