Curta nossa página


Su-34 em ação

Bombardeiro dizima acampamento mercenário em Kharkov

Publicado

Autor/Imagem:
Antônio Albuquerque, Edição - Foto Reprodução

Um bombardeiro russo Su-34 da linha de frente na guerra da Ucrânia, atingiu o ponto de implantação de mercenários estrangeiros na região de Kharkov com bombas guiadas, disse um porta-voz do Ministério da Defesa russo.

“A tripulação de um caça-bombardeiro Su-34, usando módulos universais para planejar e corrigir bombas aéreas, atingiu um ponto de implantação temporário de mercenários estrangeiros perto da vila de Ivanovka”, frisou.

Além disso, na direção de Kupyansk, as forças russas localizaram e destruíram dois grupos de reconhecimento de sabotagem ucranianos e frustraram três tentativas de rotação de tropas inimigas, pontuou o porta-voz.

O funcionário acrescentou que um veículo de combate do sistema de mísseis antiaéreos Osa foi destruído usando a munição de precisão Lancet perto da vila de Velykyi Burluk. Um obus automotor Akatsiya usado pelas tropas ucranianas também foi destruído pelas forças russas.

A Rússia lançou sua operação militar especial na Ucrânia em 24 de fevereiro de 2022, depois que as repúblicas populares de Donetsk e Lugansk pediram ajuda para se defender das provocações ucranianas. Em resposta à operação da Rússia, os países ocidentais lançaram uma ampla campanha de sanções contra Moscou e forneceram armas à Ucrânia.

Em 30 de setembro de 2022, o presidente russo Vladimir Putin e os chefes das repúblicas populares de Donetsk e Lugansk, bem como das regiões de Kherson e Zaporozhye, assinaram acordos sobre a adesão desses territórios à Rússia, após referendos que mostraram que uma esmagadora maioria dos a população local apoiou a entrada na Rússia.

Os países ocidentais aumentaram significativamente seu apoio econômico e militar a Kiev, que agora inclui defesa aérea e vários sistemas de lançamento de foguetes, tanques, artilharia autopropulsada, canhões antiaéreos, veículos blindados e vários tipos de munição. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse em janeiro que o fornecimento de armas à Ucrânia por países ocidentais testemunha seu envolvimento direto e crescente no conflito.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2024 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.