Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Força do Brics

Brasil, China, Rússia, Índia e África comandarão nova ordem mundial

Publicado

Foto/Imagem:
Bartô Granja, Edição - Foto Divulgação

Os países do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) estarão no centro de uma nova ordem mundial, disse o vice-chanceler russo, Sergey Ryabkov. “Em todos os aspectos … esses países se tornarão a base de uma nova ordem mundial”, afirmou em entrevista,  quando perguntado qual sria a participação em um futuro cenário pós-guerra na Ucrânia.

A Rússia está trabalhando para estabelecer contatos com qualquer país interessado em cooperação, disse ele. “Não há notícias aqui sobre nossa política estável e de longa data de estabelecer uma parceria estática abrangente com a China, este é apenas mais um passo”, disse ele, comentando a recente reunião do ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, com seu colega chinês, Wang. Ei.

Comentando a decisão do presidente Putin de mudar para pagamentos em rublos para contratos de gás com países “hostis”, Ryabkov observou que a Rússia não está mudando os termos dos contratos, mas está protegendo seus interesses.

“Não estamos modificando [os termos dos] contratos, estamos protegendo nossos interesses de um tsunami, uma onda de sanções totalmente irresponsáveis ​​que atingem os fundamentos do comércio internacional e do sistema internacional”, disse Ryabkov.

O fato de países do Ocidente encerrarem contratos com a Rússia em várias esferas “em uma noite” é vergonhoso, acrescentou disse Ryabkov.

“A Rússia sempre foi um fornecedor confiável e pretende continuar entregando gás para a Europa; no entanto, os interesses de Moscou também devem ser levados em consideração”, lmbrou. O diplomata espera que os países europeus revejam sua decisão de não pagar o gás em rublos e encontrem uma abordagem criativa para a questão.

Segundo o diplomata, a Rússia tirará suas próprias conclusões da russofobia racista que vem se desenrolando no Ocidente recentemente. Esses sentimentos anti-russos não estão relacionados à situação na Ucrânia, o Ocidente simplesmente odeia a Rússia, disse Ryabkov.

“…Eles não acreditam que haja lugar para a política independente da Rússia e a posição independente da Rússia na arena política global que vamos proteger”, acrescentou o funcionário.

Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul expressaram preocupação com os “sérios impactos” de “sanções unilaterais” contra a Rússia na recuperação econômica global pós-COVID, disse um comunicado divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores da China nesta quinta-feira.

Os cinco países também levantaram apreensões sobre os impactos das sanções na “estabilidade” das cadeias industriais e de suprimentos, energia e segurança alimentar, acrescentou o comunicado.

O Brics entende que “grande importância” deve ser dada às preocupações dos países em desenvolvimento para garantir que os meios de subsistência de seus povos não sejam afetados por causa das sanções econômicas.

Além disso, os delegados desses países, em recente reunião, expressaram preocupação com a situação humanitária dentro e ao redor da Ucrânia e pediram a aceleração dos esforços de assistência humanitária na região.

A declaração buscou delinear a natureza das discussões que ocorreram na segunda reunião Brics Sherpas de 2022, com a presença dos coordenadores dos países do Brics presidida pelo vice-chanceler chinês Ma Zhaoxu.

Na reunião virtual, a Rússia foi representada por seu atual representante no G-20 e pelo vice-ministro das Relações Exteriores, Sergei Ryabkov. Do lado da Índia, a reunião virtual contou com a presença de Dammu Ravi, secretário de Relações Econômicas do Ministério das Relações Exteriores.

O embaixador JB Sarquis, secretário de Comércio Exterior e Assuntos Econômicos do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, e o embaixador Anil Sooklal, vice-diretor geral do Departamento de Relações Internacionais e Cooperação da África do Sul, lideraram suas respectivas delegações na reunião online.

As cinco delegações também declararam na reunião que estavam “altamente preocupadas” com a situação atual na Ucrânia, pois apoiaram um “diálogo contínuo” entre Moscou e Kiev para buscar uma “solução abrangente” para o conflito.

“Os países do Brics expressaram seu apoio ao multilateralismo, adesão aos propósitos e princípios da Carta da ONU e respeito às legítimas preocupações de segurança de todos os países…”, diz comunicado do grupo.

A declaração conjunta ocorre no contexto de estados do Brics sinalizando preocupações individuais sobre o impacto disruptivo da crise ucraniana em suas respectivas economias.

O ministro das Relações Exteriores da Índia, S. Jaishankar , disse no parlamento no mês passado que o impacto do conflito na Ucrânia sobre os preços de energia e commodities já era visível. “Espera-se que a interrupção da cadeia de suprimentos global seja significativa”, acrescentou.

Por parte da China, o ministro das Relações Exteriores Wang Yi disse que é preciso permanecer “vigilante” contra os “efeitos adversos” da crise na Ucrânia.

Wang alertou na entrevista que os países devem evitar “sanções unilaterais”, pois podem levar a “escassez de alimentos” e “minar o desenvolvimento econômico”.

Os EUA, a União Européia e outros parceiros ocidentais, como Canadá, Austrália e Japão, impuseram amplas sanções econômicas contra Moscou por causa da “operação militar especial” da Rússia na Ucrânia. As nações do Brics basicamente se recusaram a cumprir as sanções unilaterais.

Publicidade
Publicidade