Curta nossa página


Brasil bem na fita

Brics dá novo passo para acabar hegemonia americana no mundo

Publicado

Autor/Imagem:
Iliya Tuskonov/Via Sptniknews - Foto Reprodução

Joanesburgo está se preparando para a 15ª Cúpula do Brics, que começará nesta terça-feira, 22, e vai até quinta-feira, 25. O Tema central será “Brics e África: Parceria para Crescimento Mutuamente Acelerado, Desenvolvimento Sustentável e Multilateralismo Inclusivo”.

“Multilateralismo” é talvez a palavra mais significativa para descrever as intenções das nações reunidas, com o poder econômico combinado dos Bbrics já superando o do G7 e, ao levar em conta o potencial humano, geográfico, econômico e de recursos dos países que expressaram interesse em ingressar, representam um sério desafio para a ordem internacional liderada pelos Estados Unidos.

“O grande potencial para criar uma arquitetura justa e democrática das relações internacionais reside em estruturas como o Brics”, disse o chefe da inteligência externa russa, Sergei Naryshkin, na semana passada, na véspera da cúpula.

Apontando para a semelhança do nome do bloco com a palavra inglesa “bricks”, Naryshkin indicou que o Brics é um aceno sutil para os EUA e seus aliados de que a chamada “ordem internacional baseada em regras (deles)” está se extinguindo.

“Estes são de fato os blocos de construção na fundação de um mundo verdadeiramente livre e igualitário. Em um futuro próximo, novos tijolos ou postes serão adicionados. A estrutura da multipolaridade continuará a crescer e se fortalecer, protegendo os direitos das nações à soberania e identidade promoverá o desenvolvimento econômico real. Nenhum animal na Terra conseguirá desmantelar esta estrutura”.

‘É isso’
“Em termos de um momento geopolítico de mudança de jogo, é isso”, disse Pepe Escobar, analista de política externa e economia mundial, quando questionado sobre o significado especial da cúpula do Brics deste ano.

“Muito mais do que as cúpulas anteriores, muito mais do que a cúpula da Organização de Cooperação de Xangai, muito mais do que todas as cúpulas anteriores do Brics. E o fato de acontecer na África, que, como todos sabemos agora, está no centro de tudo novamente, especialmente por causa, digamos de forma concisa, da ‘revolta africana contra o neocolonialismo francês”, apenas aumenta a importância do encontro, disse Escobar.

Há também “o fato de que o comitê organizador convidou 67 chefes de estado de representantes poderosos de toda a África e muitos outros paóses asiáticos, orientais, da Oceania e sul-americanos fazer parte de discussões envolvendo a colaboração mais da metade do planeta, acrescentou Escobar, referindo-se à empolgante perspectiva de novos membros ingressarem no bloco pela primeira vez desde que a própria África do Sul o fez em 2010, aliando-se ao Brasil, Rússia, China e Índia.

“Uma coisa que a gente já sabe com certeza vindo [dos representantes das lideranças] é que eles já decidiram um mecanismo para a absorção de novos membros. Claro que é uma empreitada muito complexa porque envolve, na última contagem, mais de 30 nações, 23 que já manifestaram formalmente o desejo de fazer parte do Brics”, observou o analista.

“Claro, esses são passos de bebê”, esclareceu Escobar. “Não devemos esperar que o Brics em dois dias na África do Sul vá virar a ‘ordem internacional baseada em regras’ de cabeça para baixo. “Não, este será um processo gradual, lento e muito desafiador. Mas o que está acontecendo na África do Sul e imediatamente depois da África do Sul é, digamos, uma espécie de Pedra de Roseta para o que vai acontecer pela frente”.

Juntamente com a expansão do bloco, Escobar espera que a cúpula inclua um foco no comércio entre blocos usando moedas locais – o chamado R5 do renminbi (yuan), rublo, real, rupia e rand, além da moeda de quaisquer novos membros que pode aderir.

Uma moeda comum?
Nos preparativos para a cúpula, tanto os observadores favoráveis ​​quanto os hostis ao Brics comentaram sobre as perspectivas da cúpula da África do Sul levar ao surgimento de uma possível moeda comum do bloco para facilitar o comércio internacional ou até mesmo desafiar a hegemonia do dólar americano.  As especulações sobre o assunto foram anuladas, com a ideia adiada, pelo menos por enquanto.

“Esse caminho rumo à nova moeda do Brics é extremamente complexo”, explicou Escobar, dizendo que o “consenso não escrito” entre analistas independentes parece ser de que o bloco pode não precisar de uma moeda comum, pelo menos por enquanto. “Eles poderiam ter, por exemplo, no médio prazo, uma espécie de token, um token lastreado em ouro que seria lastreado em ouro na Rússia. Eles não precisam de uma nova moeda como o euro. E não vai ser uma moeda do Brics como um novo euro a ser anunciado em breve.”

Super bloco
Outro aspecto que Escobar espera no cardápio das reuniões de Joanesburgo é um esforço para criar algum tipo de arquitetura para a “integração progressiva” do Brics com outras organizações multilaterais, como a União Econômica da Eurásia, liderada pela Rússia, e a Organização de Cooperação de Xangai.

“E agora tocamos em algo muito, muito, muito interessante”, enfatizou Escobar. “Porque alguns diplomatas agora estão expressando isso oficialmente, como ex-diplomatas sul-africanos, por exemplo… [perguntando] por que não devemos fundir o Brics com a Organização de Cooperação de Xangai no longo prazo? Porque talvez tenhamos mais dos membros da Organização de Cooperação de Xangai como membros do Brics. Portanto, faz sentido que eles estejam trabalhando em paralelo. Eles devem trabalhar juntos. [O presidente bielorrusso Alexander] Lukashenko disse isso há um mês e meio. Muito, muito importante. Então poderíamos esperar, eu diria não um movimento anunciado nessa direção, mas certamente passos para aproximá-los e trabalhar juntos, especialmente na frente da desdolarização.

Um super bloco BRICS+SCO não apenas complementaria os ambiciosos planos de infraestrutura do Cinturão e Rota da China, mas também a visão russa da Parceria da Grande Eurásia, observou Escobar.

Para os membros dos dois blocos e novos membros ou candidatos, Escobar prevê uma fusão Brics+SCO facilitando a integração em muitos níveis, incluindo “alfândegas, moedas, comércio bilateral contornando o dólar americano, redes 5G, o que você quiser, porque isso é também apoiado por organizações multilaterais que têm muito poder. Portanto, não estamos dizendo que BRICS e SCO a partir de amanhã vão trabalhar de mãos dadas. Não. Estamos basicamente dizendo que o potencial para eles trabalharem em parceria… em projetos específicos em países específicos é enorme, e é por isso que os chineses estão pensando nisso, os russos estão pensando nisso, os brasileiros estão pensando nisso, Lukashenko na Bielo-Rússia está pensando nisso, os iranianos estão pensando nisso.”

Além disso, disse Escobar, se o Brics se expandir para países importantes da África, como Argélia e Egito, isso criaria “um triângulo na África – Noroeste da África, Nordeste da África e África do Sul apoiados pelos Brics e com projetos em todos eles”, servindo como um impulso crucial para o desenvolvimento, inclusive por meio do Novo Banco de Desenvolvimento.

O banco Brics “poderia desempenhar um papel “absolutamente essencial” daqui para frente, acredita o analista, “especialmente em termos de financiamento de projetos” na África, no Irã ou mesmo na Síria para ajudar na reconstrução daquele país após o ataque dos americanos e seus aliados. “Então as possibilidades são infinitas, sabe, em termos de mecanismos de financiamento que escapam do FMI e do Banco Mundial”

A integração do Brics no futuro não deixará de ter seus desafios, disse Escobar, apontando para uma série de problemas, desde diferenças entre blocos entre Pequim e Délhi, até dificuldades prospectivas de governança baseada em consenso, especialmente à medida que o bloco se expande, até esforços liderados pelo “Império” dos EUA para pressionar os membros Brasil, Índia e África do Sul, bem como os principais membros potenciais, como Turquia, Indonésia e Arábia Saudita.

No que diz respeito ao continente africano, Escobar acredita que o Brics é a “chance de um século” para quebrar as correntes da servidão neocolonial.

“Uma parte substancial do continente africano está finalmente acordando para as possibilidades à frente e para o fato de que, se eles não recusarem todas as formas de neocolonialismo do Ocidente, não haverá outra chance para que a África comece finalmente a desenvolver-se de forma mais equitativa para as populações africanas”, sublinhou.

“Não é coincidência e não é por acaso que os dois principais países do Brics, Rússia e China, aprovaram este programa sul-africano ‘Ipsis Litteris’, da forma como os sul-africanos o conceberam. Isso foi ótimo. Isso mostra a importância que eles atribuem ao fato de que a África tem que ser integrada”, acrescentou Escobar.

Há uma coisa que o Brics deve aprender e se adaptar à ordem unipolar liderada pelos EUA, diz o analista geopolítico: a combinação do poder cultural, intelectual e brando americano que ajudou a facilitar o poder global de Washington por tanto tempo.

Assim, diz, o Brics “precisa de uma rede de think tanks, publicações, periódicos, mecanismos de soft power, exposições culturais, exibições interculturais e pan-culturais, filmes, teatro, música, soft power cultural interagindo entre si”, incluindo arte que possa servir para “explicar suas próprias realidades locais para seus parceiros e também para o resto do mundo”.

Post scriptum: o Brasil é fundador do Brics (o B da sigla é nosso). E Lula já está na África, para a reunião. Um detalhe: Dilma Rousseff preside a instituição.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2023 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.