Curta nossa página


Mosquito tá pegando

Buriti leva à Esplanada modelo de ações contra dengue

Publicado

Autor/Imagem:
Carolina Paiva, Edição, com Agência Brasília - Foto Sandro Araújo

Durante entrevista coletiva promovida pelo Ministério da Saúde para apresentar o cenário epidemiológico da dengue no país, a secretária de Saúde do DF, Lucilene Florêncio, citou o trabalho desenvolvido pela pasta, como o Dia D de combate à doença – realizado todos os fins de semana no DF -, além do aumento da testagem e do acesso às unidades básicas de saúde (UBSs).

“Hoje, por exemplo, o DF conta com mais de 100 mil casos prováveis da doença, e estamos lutando para combater o mosquito”, afirmou a gestora, que representou o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) no encontro. “O combate à dengue é um trabalho intersetorial. Quando falo da doença, falo de hábitos de vida, da educação, de todos os cuidados e da prevenção.”

Cuidados essenciais
A ministra da Saúde, Nísia Trindade, reforçou que são essenciais para o tratamento da doença cuidados como hidratação, prevenção e manejo adequado, especialmente para evitar o agravamento. Ela lembrou que o comportamento atípico do vírus se deve a diversos fatores, como as alterações climáticas e a mudança nos sorotipos circulantes da dengue.

“Temos muitos casos em cidades médias e pequenas, em locais onde antes não havia a doença”, alertou. “Isso causa uma interiorização e uma dispersão, o que levanta esforços. Há ainda uma grande incidência de casos do tipo 2 do vírus; cerca de 40% das ocorrências são deste sorotipo. É um fator inédito.”

O presidente do Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (Conasems), Hisham Mohamad, ressaltou o papel dos profissionais de Saúde: “É uma luta que só vamos conseguir combater se trabalharmos juntos. Por isso, é de muita importância a ação dos agentes comunitários e de combate às endemias”.

Como forma de reforçar as ações de prevenção, o Ministério da Saúde anunciou a realização nacional do Dia D de combate à doença, que será realizado no sábado (2/3), com o tema 10 minutos contra a dengue. No DF, o Dia D ocorrerá na Região Administrativa do Sol Nascente.

Curva epidemiológica
No cenário nacional, o MS demonstrou que a curva epidemiológica da dengue foi “antecipada”: enquanto em 2023 o pico ocorreu no final de março, neste ano, os casos já estão aumentando desde o final de janeiro. As ocorrências têm se mostrado maiores entre jovens de 20 a 29 anos, ao passo que os casos graves se concentram na faixa etária acima de 70 anos.

Apesar disso, representantes do MS informaram que a letalidade da doença está menor que a de 2023, em comparação aos casos graves e óbitos registrados nas primeiras oito semanas deste ano. A taxa no ano passado ficou em 4,87, índice que, no mesmo período deste ano, está em 2,51.

Dados no DF
O último boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Saúde (SES-DF) registrou 100.558 casos prováveis da doença desde o início deste ano. Na última semana, foram mais 19.150 casos. O documento também traz a confirmação de 55 óbitos desde o início do ano, além de outros 82 em confirmação.

Em números absolutos, Ceilândia registrou o maior número de casos prováveis – 17.477 -, seguida por Taguatinga (5.329), Sol Nascente/Pôr do Sol (5.042), Brazlândia (4.807) e Samambaia (4.268).

As 12.704 amostras de exames com PCR detectáveis no DF permitiram confirmar 11.370 infecções do sorotipo viral DenV-2 e 1.134 dos sorotipos DenV-1. Não há registros dos sorotipos DenV-3 e DenV-4.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2024 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.