Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Com cautela

Caminhada diária ‘reduz o risco de morte’, mas…

Publicado

Foto/Imagem:
Malu Oliveira, Edição/Via Casa Corpo e Mente - Foto Divulgação

Caminhar é um exercício simples que a maioria das pessoas gosta e comprovadamente melhora a qualidade de vida. Novas pesquisas agora apoiaram a teoria de que um passeio pode maximizar a longevidade e evitar o risco de morte prematura para pessoas de diferentes idades. No entanto, há um porém.

Uma meta-análise de 15 estudos sobre caminhada, conhecida por reduzir a pressão arterial e aumentar sua taxa máxima de consumo de oxigênio (VO2 Max) envolveu quase 50.000 pessoas com 18 anos ou mais de quatro continentes.

De acordo com a pesquisa, cujos resultados foram publicados em 2 de março na Lancet Public Health, ela buscou evidências científicas para apoiar a tão elogiada recomendação de 10.000 passos por dia. O último, eles escreveram, se referia a uma campanha de marketing de décadas para um pedômetro japonês.

Além disso, o novo estudo foi mais profundo, para determinar as ligações entre o número de passos por dia, a taxa de passos e seu impacto na mortalidade por todas as causas em adultos com 18 anos ou mais.

A análise foi liderada pela epidemiologista de atividade física Amanda Paluch, da Universidade de Massachusetts Amherst, apoiada por uma formação internacional de cientistas, formando a Steps for Health Collaborative.

A análise agrupou os participantes em quatro grupos comparativos de acordo com a média de passos por dia. Assim, o grupo de passos mais baixos teve uma média de 3.500 passos; o segundo, 5.800; o terceiro, 7.800; e o quarto, 10.900 passos por dia.

Os pesquisadores descobriram que entre os três grupos que deram mais passos por dia, houve um risco de morte 40-53% menor, em comparação com os grupos em que os participantes andaram menos passos.

Além disso, especificamente para adultos com 60 anos ou mais, o risco de morte prematura pode ser evitado em cerca de 6.000 a 8.000 passos por dia.

Adultos com menos de 60 anos poderiam estabilizar o risco de morte prematura, garantindo que dessem cerca de 8.000 a 10.000 passos diários.

“Então, o que vimos foi essa redução incremental no risco à medida que as etapas aumentam, até se estabilizar. E o nivelamento ocorreu em diferentes valores de passo para adultos mais velhos e mais jovens”, ressaltou Paluch.

No entanto, em uma reviravolta interessante, a pesquisa não conseguiu encontrar nenhuma associação definitiva com o ritmo de caminhada. Em outras palavras, o que importava era seguir seus passos se você quisesse diminuir o risco de morte.

A nova pesquisa se baseia em descobertas anteriores de outro estudo liderado por Paluch, publicado em setembro passado no Jama Network Open.

Na época, a pesquisa descobriu que caminhar pelo menos 7.000 passos por dia reduzia o risco de morte prematura das pessoas de meia-idade.

De acordo com as Diretrizes de Atividade Física para Americanos, de 2018, os adultos devem fazer pelo menos 150 minutos de atividade física aeróbica de intensidade moderada todas as semanas. Assim, Amanda Paluch e sua equipe vêm divulgando a caminhada como uma atividade física simples e acessível.

“As etapas são muito simples de rastrear e há um rápido crescimento de dispositivos de rastreamento de condicionamento físico. É uma ferramenta de comunicação tão clara para mensagens de saúde pública”, disse Paluch. Ela acrescentou que o principal argumento foi que se mover um pouco mais era benéfico.

Publicidade
Publicidade