Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


BQ1 do coronavírus

Chegada de nova variante deixa Saúde em alerta

Publicado

Foto/Imagem:
Carolina Paiva, Edição - Foto Divulgação

O Laboratório Central de Saúde Pública (LACEN) confirmou nesta sexta-feira (11) os 14 primeiros casos da nova subvariante BQ1 do coronavírus no Distrito Federal. De acordo com a secretária de Saúde, Lucilene Florêncio, a notícia deve ser recebida como um alerta para a vacinação. “A gente reforça a importância de estarmos, todos, com o calendário vacinal completo para que nós não tenhamos um aumento de gravidade dos casos, nem óbitos”, alerta.

Com mais de sete milhões de doses aplicadas, o Distrito Federal imunizou mais de 80% da população com a primeira e a segunda dose, porém o número de pessoas acima dos 12 anos que voltaram para receber o reforço está abaixo de 55%. No caso do segundo reforço, disponível para quem tem mais de 40 anos, o índice está abaixo de 40%. Locais de vacinação funcionam de segunda a sábado para aplicação de doses.

O diretor de Vigilância Epidemiológica do DF, Fabiano dos Anjos, ressalta que um esquema vacinal incompleto significa correr mais riscos. “Se as pessoas estiverem com as doses em atraso estarão mais suscetíveis a se reinfectarem”, explica. O epidemiologista lembra que a tranquilidade conquistada nos últimos meses, com queda no número de casos e de óbitos de covid, foi alcançada graças à vacinação.

Testagem e cuidados
A secretária de Saúde ressalta que pessoas com sintomas de covid-19 devem procurar uma unidade para realizar o teste. Hoje, são mais de 280 mil testes disponíveis para a população. A testagem é feita de segunda a sexta-feira nas Unidades Básicas de Saúde.

Em caso de confirmação, é necessário adotar os cuidados indicados pela equipe médica. “O isolamento impede que haja uma consistência da transmissão”, afirma a secretária e médica Lucilene Florêncio. Nesta quinta-feira (10), o DF atingiu um índice de transmissibilidade de 1,32, o que significa que um grupo de 100 pessoas infectadas contaminou outras 132. Uma semana antes, a taxa estava em 0,98.

Lucilene Florêncio lembrou ainda da importância das medidas individuais e voluntárias de proteção, como a etiqueta respiratória e o uso de máscaras de proteção em ambientes fechados ou com concentração de pessoas. “A gente pede e resgata o aprendizado que tivemos e o bom-senso”, aconselha.

Casos de BQ1
Dos 14 casos da subvariante BQ1 confirmados, nove foram em mulheres e cinco em homens, com idades variando entre 24 e 84 anos. Uma pessoa chegou a ser internada no Hospital Regional da Asa Norte, mas já teve alta. Não há nenhum óbito confirmado pela nova subvariante.

De acordo com a secretária de Saúde, as pesquisas realizadas até o momento indicam um potencial de transmissão de até 10% superior à variante ômicron original. “Não há nenhum aumento de gravidade, nenhum aumento de internação em todos os estados, em todos os países que já têm essa subvariante”, finaliza.

Publicidade
Publicidade