Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Defesa da região

China e Paquistão se unem contra uma Otan asiática

Publicado

Foto/Imagem:
Bartô Granja, Edição - Foto Divulgação

As lideranças militares da China e do Paquistão decidiram “aprofundar as trocas pragmáticas” e lidar com “fatores complicados na situação regional”, de acordo com um comunicado oficial do Ministério da Defesa Nacional, divulgado no final de uma visita de três dias do chefe do Estado-Maior do Exército (COAS) do Paquistão, general Qamar Javed Bajwa, à China.

No domingo, Bajwa manteve conversas de alto nível com o general Zhang Youxia, vice-presidente da Comissão Militar Central da China, na cidade oriental de Qingdao. De acordo com o comunicado oficial de Pequim, o general Zhang discutiu a Iniciativa de Desenvolvimento Global (GDI) e a Iniciativa de Segurança Global (GSI) durante suas conversas com a delegação paquistanesa.

O GSI, que Pequim diz já estar sendo “implementado”, “se opôs à divisão” da região Ásia-Pacífico com a Estratégia Indo-Pacífico, uma iniciativa liderada pelos EUA que consagrou o papel de grupos como pacto trilateral Austrália, Reino Unido e EUA.

O GDI, por outro lado, foi proposto pelo presidente chinês Xi Jinping em setembro passado durante seu discurso em vídeo na Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU). Apela ao avanço do “desenvolvimento global” por meio de um “novo estágio de crescimento equilibrado, coordenado e inclusivo”.

A Índia, que está travada em disputas de fronteira com o Paquistão e a China, é membro do Quad, que também inclui Austrália, Japão e EUA. O Quad defende uma “região Indo-Pacífico livre e aberta”, bem como defende a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (UNCLOS). Pequim percebe que o Quad é direcionado contra ele e disse que é semelhante a uma OTAN asiática.

Nova Délhi também se opõe ao Corredor Econômico China-Paquistão (CPEC), um projeto emblemático da Iniciativa do Cinturão e Rota de Pequim (BRI). O CPEC compreende projetos de infraestrutura, conectividade e energia desde a Região Autônoma de Xinjiang até o porto de Gwadar, no Mar da Arábia, na costa sul do Paquistão.

As objeções da Índia ao CPEC têm como premissa a passagem por territórios em Jammu, Caxemira e Ladakh, regiões que, segundo ele, são “ilegalmente” ocupadas por Pequim e Islamabad. A Iniciativa do Cinturão e Rota (BRI) , ou a “Nova Rota da Seda”, é uma série de projetos de conexão e infraestrutura terrestres e marítimas que estão sendo desenvolvidos em todo o mundo com o apoio financeiro da China. Quase 140 países, incluindo os da Europa, Ásia e América do Sul, entre outros, se inscreveram no BRI até agora.

O general Zhang sublinhou durante a reunião que tanto Islamabad como Pequim “se apoiaram firmemente em questões relativas aos interesses fundamentais de cada um”. “China e Paquistão são parceiros cooperativos estratégicos para todos os climas”, observou o general Zhang.

Por sua parte, o principal general do Paquistão descreveu os laços amistosos entre os dois países como “inquebráveis ​​e sólidos”. “O Paquistão permanecerá firme com a China a qualquer momento, não importa como a situação internacional e regional mude”, afirmou o lado paquistanês durante a reunião.

Publicidade
Publicidade