Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Olho por olho...

China fica de olho nos EUA e produz mais bombas nucleares

Publicado

Foto/Imagem:
Kirill Kurviev/Via Sputniknews - Foto Divulgação

A China acelerou a expansão de seu arsenal nuclear devido a uma mudança em sua avaliação da ameaça representada por Washington, oferecendo uma nova luz sobre um acúmulo que está aumentando as tensões entre os dois países, informou o Wall Street Journal no domingo, 10.

De acordo com um relatório citado pelo jornal inglês, embora o programa nuclear da China seja antigo, alguns dos especialistas, citados pelo veículo, acreditam que a relutância dos EUA em se envolver no atual conflito na Ucrânia reforçou a escolha de Pequim de se concentrar mais na produção de armas nucleares como dissuasão.

As autoridades chinesas supostamente veem armas nucleares mais poderosas como uma estratégia para manter os Estados Unidos fora de uma potencial crise em Taiwan, a ilha autônoma que a China vê como seu território.

Citando fotografias de satélite da área, a reportagem observa que o trabalho em mais de 100 silos de mísseis suspeitos na remota região ocidental da China foi acelerado este ano. Os silos podem ser usados ​​para armazenar mísseis de ponta nuclear capazes de atingir o território dos EUA.

No entanto, o raciocínio por trás do desenvolvimento nuclear da China foi questionado pelo atual governo dos EUA. Depois que as comunicações entre autoridades e analistas chineses se esgotaram nos últimos anos, analistas de segurança independentes que monitoram a proliferação nuclear acreditam que também não sabem o que motiva Pequim.

A informação reinante é a de que oficiais militares dos EUA e especialistas em segurança estão preocupados que a aceleração nuclear da China possa indicar que ela está disposta a lançar um ataque nuclear repentino; no entanto, as fontes de Pequim enfatizam que o país está dedicado a não usar armas nucleares primeiro.

A China pretende manter seu arsenal nuclear no mínimo para proteger seus interesses de segurança, disseram fontes, acrescentando que os militares chineses sentem que suas armas nucleares são velhas demais para serem um impedimento eficaz contra um futuro ataque nuclear dos EUA.

“A capacidade nuclear inferior da China só pode levar a uma crescente pressão dos EUA sobre a China”, disse uma fonte familiarizada com as autoridades de Pequim.

O arsenal nuclear da China, de acordo com avaliações do governo dos EUA e do setor privado, consiste em várias centenas de ogivas, significativamente menos do que as pertencentes à Rússia e aos EUA. Espera-se que a China tenha 1.000 ogivas até o final da década, de acordo com declarações anteriores do Pentágono.

As imagens de satélite supostamente mostram que as últimas 45 coberturas temporárias de cada um dos 120 silos de mísseis suspeitos perto da cidade chinesa de Yumen foram removidas, indicando que o trabalho mais sensível em todos os silos foi concluído. .O trabalho está nos estágios iniciais em mais duas fazendas de silos menores no oeste da China.

Os silos em cada um dos locais são supostamente grandes o suficiente para um novo míssil chinês de longo alcance conhecido como DF-41, que entrou em serviço em 2020 e é capaz de atingir o continente dos EUA. Testes de mísseis lançados por aeronaves capazes de transportar bombas nucleares também dão a Pequim uma chance melhor de retaliação se for atingido primeiro em um ataque nuclear, disseram especialistas.
O trabalho no campo de silo Yumen supostamente começou entre março e outubro de 2020, de acordo com imagens de satélite obtidas pela publicação.

A ordem do presidente russo Vladimir Putin para que as forças nucleares do país sejam colocadas em alerta máximo diante da atual crise militar na Ucrânia, forneceu às autoridades chinesas uma lição prática sobre a importância estratégica das armas nucleares. O aumento do apoio dos EUA à ilha de Taiwan levou os líderes chineses a discutir a possibilidade de os EUA usarem armas nucleares em um conflito pela ilha, segundo analistas.

Os EUA alertaram que podem implantar armas nucleares em resposta a ataques não nucleares significativos contra os EUA ou seus aliados após uma revisão da política nuclear feita pelo governo Trump em 2018. O atual governo Biden está pronto para continuar a usar essa estratégia .

Além disso, a China está colocando um foco maior em estar pronta para retaliar em espécie no caso de um ataque nuclear. Diz-se que Pequim está trabalhando com a Rússia no desenvolvimento de um sistema de alerta antecipado para detectar mísseis que se aproximam. Em fevereiro de 2021, a China lançou um satélite que alguns analistas dizem ser o primeiro passo em direção a um sistema de sensor de mísseis baseado no espaço.

A China também está desenvolvendo armamento mais poderoso capaz de carregar bombas nucleares, como mísseis hipersônicos, contra os quais os EUA não têm contramedidas eficazes.

Publicidade
Publicidade