Curta nossa página


Passado e presente

Ciência abre caminho para memória do homem funcionar melhor

Publicado

Autor/Imagem:
Chimauchen Nwesu/Via Sputniknews - Foto Divulgação

Neurocientistas descobriram que refletir sobre os acontecimentos da vida logo após sua ocorrência aumenta a probabilidade de gravá-los na memória durante mais tempo. É o que sugere Gyorgy Buzsaki, professor de neurociência na NYU Langone Health, após pesquisas focadas no hipocampo de ratos. Usando técnicas avançadas, ele monitorou a atividade de centenas de neurônios simultaneamente de ratos de laboratório, que navegavam em um labirinto em busca de recompensas saborosas.

Os cientistas observaram nas experiências que quando um camundungo fazia uma pausa para saborear a sua recompensa depois de navegar com sucesso num labirinto, registava distintas ondulações de ondas agudas (SWRs) – padrões rítmicos gerados pela atividade neuronal altamente sincronizada dentro do hipocampo – numerando cerca de cinco a 20 de cada vez.

De acordo com a equipe do estudo, refletir sobre um evento logo após sua ocorrência pode melhorar a formação de memórias de longo prazo, embora as explosões inconscientes de atividade elétrica do cérebro sejam responsáveis ​​por esse processo.

Enquanto os ratos dormiam no laboratório, os neurônios do hipocampo, que anteriormente haviam sido ativados durante as atividades diurnas do labirinto, dispararam rapidamente mais uma vez. Essa atividade lembrava os animais “reproduzindo” os eventos registrados repetidamente durante a noite, ocorrendo milhares de vezes.

Buzsaki e sua equipe propõem que a ativação dos neurônios do hipocampo é responsável pelo armazenamento de informações geográficas na memória, como a disposição das salas ou os caminhos percorridos em um labirinto. “Nosso estudo descobriu que ondulações acentuadas são o mecanismo fisiológico usado pelo cérebro para ‘decidir’ o que manter e o que descartar”, disse.

Ele sugeriu que uma caminhada tranquila após a atividade poderia aumentar significativamente a retenção, oferecendo uma dica prática para melhorar a memória. Winnie Yang, um dos co-autores do estudo, expressou otimismo sobre possíveis aplicações terapêuticas, particularmente para indivíduos que lutam com distúrbios de memória ou TEPT. Ele imaginou futuras intervenções aproveitando esses insights para melhorar a função da memória ou aliviar memórias traumáticas.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2024 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.