Curta nossa página


Frequência é preocupante

Ciência registra quarta maior explosão solar em cinco anos

Publicado

Autor/Imagem:
Chimauchen Nwesu/Via Sputniknews - Foto Divulgação

Uma emissão solar da zona ativa 3576, após uma erupção anterior de X3.3, marca uma rara ocorrência de repetidas erupções de alta potência dentro de um ciclo solar.

Essa explosão de classe X de maior magnitude ocorreu no Sol na sexta-feira. O Laboratório de Astronomia Solar do Instituto de Pesquisas Espaciais da Academia Russa de Ciências relatou o evento em seu site.

“O fenômeno é classificado como X2.6, o que significa que é o quarto evento mais forte nos últimos cinco anos, de acordo com os catálogos… A probabilidade do surto impactar a Terra é atualmente avaliada como extremamente baixa”, diz o comunicado do laboratório.

Segundo os cientistas, o evento ocorreu na periferia da superfície solar, longe do eixo Sol-Terra. Existe a possibilidade de que partículas carregadas em alta velocidade emitidas pela explosão possam afetar a Terra.

No entanto, a probabilidade de ocorrência de tempestades magnéticas e auroras é inferior a cinco por cento.

A explosão solar irrompeu da zona ativa 3576, onde uma explosão anterior de pontuação máxima de X3.3 foi detectada alguns dias antes. Essa foi a primeira vez que uma região do Sol gerou duas explosões de maior potência dentro de um ciclo solar.

A erupção mais poderosa registrada em 5 anos continua sendo o evento de Ano Novo em 1º de janeiro de 2024, atingindo uma intensidade X5,0.

As explosões solares são classificadas em cinco graus: A, B, C, M e X, de acordo com a intensidade de sua emissão de raios X.

Os analistas já tinham registado um aumento na frequência e intensidade das erupções solares, indicando que o Sol está constantemente a aproximar-se do seu auge de atividade. Esse pico é esperado em meados do ano, embora algumas previsões sugiram que poderá ser adiado até 2025.

As explosões solares podem causar tempestades magnéticas no nosso planeta, perturbando a infraestrutura energética e alterando as rotas migratórias de espécies de aves e animais.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2024 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.