Curta nossa página


Até que veio a peste...

Civilização só avançou porque animais absorveram micróbios

Publicado

Autor/Imagem:
Chimauchen Nwesu/Via Sputniknews - Foto Divulgação

O progresso da civilização humana deve muito aos animais de criação. No entanto, há um lado mais sombrio: estes animais estão ligados a crises de saúde significativas na nossa história.

A ciência estabeleceu firmemente que, quando os humanos começaram a domesticar animais, facilitaram involuntariamente o surgimento de doenças como a peste e a febre recorrente transmitida por piolhos.

Ao longo do tempo, os especialistas especularam que a criação de sociedades pastoris expansivas por caçadores-coletores eurasianos, há cerca de 12 mil anos, aumentou as chances de transmissão de doenças zoonóticas.

Avanços recentes na análise de DNA antigo permitiram que uma equipe liderada pelo geogeneticista Martin Sikora, da Universidade de Copenhague, explorasse essa teoria. Foram identificados numerosos genes microbianos em 1.313 amostras humanas antigas de toda a Eurásia. Eram organismos, porém, sem maiores consequências para a humanidade, pois eles já tinham ‘se alimentado’ do sangue animal.

Os investigadores realizaram análises detalhadas do ADN do agente patogénico, rastreando a sua linhagem há 12.500 anos para compreender a evolução e propagação de doenças humanas significativas. Embora os seus resultados ainda aguardem revisão, um relatório inicial indica que muitos micróbios provavelmente se originaram de animais e com eles permaneceram.

Curiosamente, as evidências de doenças zoonóticas – aquelas que se deslocam entre animais e humanos – só apareceram há aproximadamente 6.500 anos. Já os agentes patogénicos responsáveis ​​pela peste e pela LBRF, que residem em pequenos roedores, pulgas e piolhos, respectivamente, estavam ausentes dos restos mortais humanos até cerca de seis milénio, alinhando-se com a mudança da caça e recolha para a agricultura.

Após o surgimento da agricultura, os vestígios de DNA microbiano zoonótico em amostras humanas antigas tornaram-se mais consistentes. A crescente densidade populacional humana, combinada com o declínio dos padrões de higiene, levou ao aumento de pragas e, subsequentemente, à propagação de doenças. O estudo indica uma mudança significativa na dinâmica das doenças durante os primeiros estágios da história humana.

Atualmente, mais de 60 por cento das doenças infecciosas emergentes têm origem em animais, um contraste marcante com os tempos antigos, quando os humanos foram introduzidos pela primeira vez nestes agentes patogénicos. As sociedades pioneiras nas estepes da Eurásia que encontraram estas doenças transmitidas por animais podem ter tido uma vantagem única. Para além da sua ampla oferta de carne e lacticínios, tiveram a oportunidade de se adaptarem a estas novas ameaças patogénicas.

Sikora e sua equipa observaram um aumento no ADN microbiano zoonótico em restos humanos da Eurásia há cerca de 5.000 anos. Isto sugere que os pastores migrantes das estepes introduziram a agricultura e doenças zoonóticas em regiões anteriormente não expostas. Estes pastores, tendo desenvolvido alguma imunidade como resultado da exposição prolongada a animais, podem ter desencadeado inadvertidamente epidemias europeias.

Este padrão pode refletir o impacto da colonização europeia nas populações indígenas de outras partes do mundo. À medida que as comunidades eurasianas se expandiram, estas doenças passaram de endémicas a epidémicas. Os investigadores determinaram que a bactéria responsável pela peste estava presente em níveis baixos entre 5.700 e 2.700 anos atrás e desencadeou uma grande epidemia no Império Romano por volta de 540 dC.

Na era medieval, tornou-se uma das principais causas de morte, como provado pelas descobertas em cemitérios dinamarqueses. Por outro lado, a LBRF atingiu o pico há cerca de 2.000 anos, quando a atividade da peste era baixa, potencialmente devido à superlotação e ao mau saneamento. A equipa sugere que as mudanças no estilo de vida há milénios resultaram num aumento de doenças zoonóticas, influenciando a história e a saúde humana.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2023 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.