Curta nossa página


Estados Unidos

Congresso atropela lei para armar nazistas ucranianos

Publicado

Autor/Imagem:
James Tweedie/Via Sputniknews - Foto Reprodução

O Congresso dos EUA está violandois que ele próprio elaborou ao votar para armar o regime neonazista em Kiev, revelou um analista. No fim de semana passado, algumas dezenas de membros do grupo neonazista Blood Tribe, liderado pelo ex-fuzileiro naval dos EUA Christopher ‘The Hammer’ Pohlhaus, marcharam no parque temático Disney World, na Flórida.

Polhaus surpreendeu os repórteres ao endossar o presidente Joe Biden em vez de seu provável rival Donald Trump nas eleições de 2024 – com base no fato de que Biden “envia foguetes para a Ucrânia” para armar outros nazistas lá.

A jornalista independente Rachel Blevins disse que o Congresso dos EUA desrespeitou a sua própria legislação ao aprovar fundos para armar a Ucrânia desde o início da operação militar da Rússia em Fevereiro de 2022.

“Os Estados Unidos envolveram-se basicamente na criação do conflito na Ucrânia em 2014. Apoiou este golpe”, explicou Blevins. “E uma das maneiras pelas quais conseguiu fazer isso foi trabalhando com esses grupos extremistas violentos e neonazistas de extrema direita”.

“Alguns anos se passaram e pelo menos algumas pessoas nos EUA estavam olhando em volta e pensando, ‘espere um segundo, estamos financiando neonazistas na Ucrânia?’”, ela continuou. “E assim, em 2018, o Congresso emitiu a sua própria proibição, o que é uma espécie de loucura quando se pensa nisso, que o Congresso tenha de se aproximar e dizer a si próprio para parar de financiar neonazis na Ucrânia.”

A comentarista observou que, apesar da intenção declarada do governo Biden de reprimir os extremistas domésticos, o comício da Tribo do Sangue prosseguiu sem qualquer resposta das autoridades locais ou federais.

“Ter esses neonazistas com bandeiras com a suástica e fazendo suas saudações de Heil Hitler apenas na América em 2023 é uma loucura”, enfatizou Blevins. “Essas manifestações foram divulgadas on-line durante semanas e as pessoas no local diziam que não havia presença policial ali. Portanto, eles não estavam preocupados com o fato de todas essas pessoas que têm uma retórica de ódio contra vários membros diferentes da população se reunirem”.

O apoio de Polhaus a Biden em relação à sua política para a Ucrânia foi “apenas um sentimento insano quando se pensa sobre isso”, acrescentou ela. “Esse cara está usando um colar de suástica e logo atrás dele, também fazendo saudações a Heil Hitler, está outro cara chamado Boneface. Seu rosto está coberto de tatuagens.”

“Boneface”, cujo nome verdadeiro é Kent McLellan, foi recentemente denunciado pela jornalista conservadora independente Laura Loomer como um ativo da Agência Central de Inteligência depois de ter descoberto uma entrevista em vídeo com ele em ucraniano.

“Ele teve vários desentendimentos com a lei, incluindo uma prisão por terrorismo doméstico, exceto em casos como os que vemos agora, em que o governo dos EUA quer usar o terrorismo doméstico para perseguir os manifestantes, no caso dele, eles o colocaram em liberdade condicional por quatro anos”, destacou Blevins. “E durante esse período de quatro anos ele vai para a Ucrânia para trabalhar com o grupo de extrema direita, o Setor Direita*, e depois volta para os EUA. São pessoas bem versadas, e até disseram elas mesmas que eles têm ligações com o FBI e a CIA e que trabalharam para eles.”

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2024 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.