Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Troco de Putin

Crise avança e cresce o risco de comida desaparecer

Publicado

Foto/Imagem:
Ilya Tsukanov/Via Sputniknews - Foto Reprodução

A tradicional potência industrial da Europa Central foi duramente atingida pela crise de energia em grande parte auto infligida decorrente da decisão de Bruxelas de eliminar gradualmente o petróleo e o gás russos para “punir” Moscou por sua operação militar na Ucrânia. O presidente Vladimir Putin alertou que a Europa “não está em posição de ditar” sua “vontade” à Rússia em questões de energia.

Agora os setores de alimentos frescos e congelados da Alemanha estão no meio de sua “pior crise desde o fim da Segunda Guerra Mundial” e podem enfrentar uma onda de falências e restrições de produção, levando a lacunas nas prateleiras das lojas, alertaram associações de fabricantes em carta aberta ao governo alemão.

“Existe um risco significativo de lacunas no fornecimento diário de alimentos para as pessoas na Alemanha. A situação é mais do que grave”, alertou a carta, dirigida ao chanceler Olaf Scholz, ao ministro da Economia Robert Habeck e ao ministro federal da Alimentação e Agricultura Cem Ozdemir e publicada pela Welt.

O apelo foi escrito pelo Instituto Alemão de Alimentos Congelados, a Associação Alemã de Frigoríficos e Empresas de Logística Fria, com cinco outros grupos industriais, incluindo a Associação da Indústria de Carne, a Associação Federal de Peixes e a Associação Alemã de Comércio de Frutas.

“As empresas temem que as linhas de produção fiquem paralisadas em breve e que os centros logísticos refrigerados para distribuição de alimentos sejam fechados. Alguns estão até se preparando para uma possível falência”, diz a carta, caracterizando a situação precária como “um minuto para a meia-noite”.

“Aja agora. Caso contrário, as geladeiras dos alemães logo estarão vazias”, alertou o apelo. Os choques nos preços da energia atingiram especialmente os setores de alimentos congelados e produtos frescos da Alemanha, com produtores reclamando que não receberam apoio financeiro do governo em meio à crise.

A carta também alertou que outros problemas estão corroendo os resultados coletivos dos produtores de alimentos, desde a escassez de funcionários e matérias-primas até interrupções na cadeia de suprimentos. “As empresas não podem mais compensar esses aumentos maciços de custos por meio de economias ou repassando [custos] aos consumidores”, diz o apelo.

Sabine Eichner, diretora administrativa do Instituto Alemão de Alimentos Congelados, disse que a carta coletiva foi criada após semanas de silêncio para separar os apelos de grupos industriais individuais do Ministério da Alimentação e Agricultura.

“O ministro Ozdemir aparentemente aceita que as empresas vão falir”, reclamou Eichner, dizendo que a necessidade de apoio é “grande, mas ninguém nos ouve”.

A indústria alimentícia da Alemanha responde por 186 bilhões de euros em receita anual, 6.200 empresas separadas e 638.000 funcionários, e buscou tanto financiamento direcionado “extensivo” para empresas individuais quanto acesso expandido à energia a taxas fixas subsidiadas.

A Alemanha e outros países europeus estão se preparando para um inverno frio, agravando os problemas econômicos causados ​​pelo aumento dos preços da energia e a queda da inflação, e uma potencial turbulência política em meio à crescente revolta pública. No início deste mês, a potência alemã de gás natural e eletricidade Uniper alertou que “o pior ainda está por vir” no que diz respeito à emergência energética.

Os alemães já foram solicitados a fazer sacrifícios no supermercado, na bomba de gasolina, em suas casas e em termos de higiene pessoal por causa da guerra híbrida econômica de seu governo com a Rússia. Na quinta-feira, o Financial Times informou que os fabricantes alemães de papel higiênico estão em risco de insolvência. Na semana passada, o aumento dos preços do gás forçou as cervejarias alemãs a reduzir a produção.

Uma pesquisa do Instituto de Novas Respostas Sociais (INSA) para o jornal Bild em junho descobriu que quase um em cada seis alemães pulou refeições para sobreviver, com 13% mais em risco por aumentos de preços.

O presidente Vladimir Putin abordou a crise energética europeia em comentários à imprensa em Vladivostok no início deste mês, enfatizando que a Rússia estaria preparada para ativar os oleodutos Nord Stream 1 e 2 “amanhã” se os países ocidentais e seus aliados retirarem sanções e outras restrições.

“[O Ocidente] se colocou no chamado beco sem saída das sanções. Só há uma saída. Estamos vendo manifestações na Alemanha exigindo que o Nord Stream 2 seja ativado. Apoiamos essas demandas dos consumidores de energia alemães. Estamos prontos para fazê-lo amanhã. Basta apertar um botão. Mas não fomos nós que impuseram sanções ao Nord Stream 2. [A Europa] o fez sob pressão dos EUA. E por que os americanos estão pressionando os europeus? Porque eles mesmos querem vender gasolina por três vezes o preço”, disse Putin.

Publicidade
Publicidade