Curta nossa página


A análise

Crise do Mar Vermelho e briga Irã-Paquistão decorrem de Gaza?

Publicado

Autor/Imagem:
Antônio Albuquerque, Edição, com Sputniknews - Foto Reprodução

“As origens de tudo isto, desta situação, podem estar no início da guerra entre o Hamas e Israel”, disse ao Sputnik, de Moscou, um especialista em Oriente Médio.

O Irã usou mísseis e drones para atacar o que descreveu como bases terroristas na província paquistanesa do Baluchistão, localizada perto da fronteira com o Irã, esta semana, conduzindo efetivamente um ataque transfronteiriço em solo paquistanês.

O ataque suscitou uma resposta irada do Paquistão que, num aparente movimento de retaliação, realizou ataques contra alvos nas províncias iranianas do Sistão e do Baluchistão, localizadas perto da fronteira com o Paquistão. Estes ataques também visavam supostamente instalações terroristas.

Embora estes ataques tenham ocorrido longe do Iémen, onde os Estados Unidos estão realizando ataques com mísseis por conta própria, em tentativas fúteis de subjugar os Houthis, todos estes eventos estão ligados por uma narrativa comum, argumenta Stanislav Tarasov, um observador político especializado em política regional.

As trocas de mísseis entre o Irã e o Paquistão, juntamente com as declarações feitas por Teerã e Islamabad, visaram os separatistas Balochi em ambos os países.

O povo Balochi, explicou Tarasov, procurou autonomia para si desde cerca de 1960, e a subsequente descoberta de petróleo, gás e outros recursos naturais nas áreas em que vive levou os Balochi a acreditar que agora têm o que precisam para construir a sua própria soberania.

O problema é que qualquer tentativa dos Balúchi de construir um Estado soberano seria considerada como separatismo pelo Irã e pelo Paquistão, que não parecem dispostos a separar-se dos territórios onde vive o povo Balúchi.

O ataque do Irã, como disse Tarasov, ocorreu depois de certas “forças externas” terem jogado a “carta Balochi”, enquanto Teerã aparentemente atribuiu o recente ataque terrorista em Kerman aos militantes Balochi e retaliou.

Segundo ele, parece que os Estados Unidos estão tentando usar o fator separatista para paralisar o Irão e limitar a capacidade de Teerão de interferir no conflito israelo-palestiniano através do Hezbollah. Tarasov também especulou que foi a influência ocidental que fez com que o Paquistão agravasse a situação através de um ataque de retaliação.

Os ataques Houthi aos navios no Mar Vermelho e os esforços dos EUA para os impedir também podem ter um efeito prejudicial sobre o Irã, sugeriu.

Embora os Houthis justifiquem os seus ataques a navios ligados a Israel no Mar Vermelho alegando solidariedade com os palestinos que sofrem nas mãos da máquina de guerra israelita, Tarasov afirmou que o movimento iemenita tem segundas intenções e prossegue os seus próprios objetivos entrando em confronto direto com os Estados Unidos e seus aliados.

Ele também observou que a interrupção do transporte marítimo através do Mar Vermelho, embora seja má para as economias ocidentais, também “mina a economia e o poder” dos estados do Golfo Pérsico.

“É um quadro muito complexo, com várias narrativas e diferentes motivos ocultos. Mas, essencialmente, há um processo de degradação da situação geopolítica em todo o Grande Oriente Médio. Mas as origens de tudo isto, desta situação, podem estar no início da guerra entre o Hamas e Israel”, pontuou Tarasov.

Por outro lado, Mahjoob Zweiri , professor de política contemporânea e história do Oriente Médio com foco no Irã e na região do Golfo na Universidade do Qatar, argumentou que os ataques do Irã em território paquistanês não têm nada a ver com a crise de Gaza, mas muito a ver com o ataque terrorista em Kerman.

Segundo ele, Teerã acredita que um grupo separatista Balochi chamado Jaish ul-Adl, com algum apoio estrangeiro, foi responsável pelas explosões que mataram cerca de uma centena de pessoas.

“É claro que o Irã percebeu que o que aconteceu está sendo gerado ou apoiado pelos Estados Unidos, mas infelizmente, segundo eles, esses dois grupos beneficiaram do solo paquistanês”, disse ele, acrescentando que não vê qualquer ligação entre esta situação e o crise no Mar Vermelho.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2023 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.