Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mundo

Crise se agrava e índios pressionam governo

Marieta Cazarré

Pelo oitavo dia, indígenas, estudantes e trabalhadores do Equador protestaram nesta quinta (10) contra o decreto 883, assinado pelo presidente Lenín Moreno, que eliminou subsídios aos combustíveis.

Apesar de muitos indígenas já terem deixado Quito após a mobilização de ontem, o presidente da Confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador (Conaie), Jaime Vargas, afirmou que as manifestações seguirão até que o governo revise o pacote de medidas econômicas que implementou no âmbito do acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Havia a expectativa de que os milhares de indígenas que marcharam ontem em Quito voltassem a suas terras hoje. No entanto, Vargas disse que as marchas e protestos seguirão em Quito por tempo indeterminado.

Ontem, Moreno anunciou que voltou a Quito para dialogar com os manifestantes. Ele estava na cidade costeira de Guayaquil, centro econômico do país, para onde a sede do governo foi transferida após violentos protestos e invasões de prédios, como o da Assembleia Nacional.

A mudança da sede do governo, decretada por Moreno em 3 de outubro, tem respaldo durante a vigência do estado de exceção, que durará 30 dias.

“Vim para a cidade de Quito com a finalidade de estender minha mão e poder manifestar que já temos bons resultados em relação ao diálogo com os irmãos indígenas”, disse o presidente do Equador. Os contatos, de acordo com declarações do secretário da Presidência, José Briones, estão sendo intermediados pelas Nações Unidas e pela Igreja Católica.

No entanto, Jaime Vargas, presidente do Conaie, negou que haja diálogo com o governo. Em nota publicada no site da organização, ele exigiu a liberdade de centenas de pessoas detidas nos protestos e responsabilizou os ministros María Paula Romo, de Governo, e Oswaldo Jarrín, da Defesa, pela violência por parte do Exército e da Polícia Nacional.

“Pedimos que as Nações Unidas convoquem o presidente e que a repressão pare; além disso, pedimos a liberdade dos companheiros que foram presos. Nos disseram que havia a possibilidade de dialogar e nós dissemos que não”, afirmou.

De acordo com a imprensa equatoriana, mais de quinhentas pessoas foram detidas nos últimos dias. As manifestações foram marcadas por violência. A polícia reagiu com gás lacrimogêneo e cercou parte do centro de Quito, onde estão alguns dos prédios importantes do governo.

Moreno decretou toque de recolher entre às 20h e às 5h da manhã, durante um mês, nos arredores do Palácio de Carondelet, para evitar que os manifestantes se aproximem da sede do executivo.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente