Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Rumo ao Buriti

De futebol a pizza, PO fecha o dia com chave de ouro

Publicado

Foto/Imagem:
Pretta Abreu , Edição- Foto Divulgação

Candidato do PSD ao GDF, Paulo Octávio recebeu nesta segunda-feira (19), a “Pauta da Indústria 2023-2026 – Diretrizes para o desenvolvimento industrial do DF”, entregue pela direção da Federação das Indústrias do Distrito Federal (Fibra). O documento contém as demandas do setor e contempla três dimensões estratégicas: Infraestrutura e Marcos Regulatórios; Melhoria do Ambiente de Negócios e Ecossistema de Inovação; e Transferência Tecnológica. São 12 diretrizes, organizadas cronologicamente pelo nível de urgência e de viabilidade de execução.

O texto apresenta uma demanda principal: a implantação da Política de Desenvolvimento Sustentável do DF, obrigação prevista no Zoneamento Ecológico-Econômico do DF (ZEE-DF). Estiveram presentes na reunião o presidente da Fibra, Jamal Jorge Bittar, e os diretores Elson Ribeiro e Póvoa, Graciomário de Queiroz, Paulo Eduardo e Fernando Japiassu. Eles também receberam cópias do Plano de 55 Metas que vão nortear o governo de Paulo Octávio.

Para Jamal Bittar, o documento da Fibra “reafirma a importância do fortalecimento do setor industrial como base da economia local”. A posição é compartilhada por Paulo Octávio, que vê o ambiente atual como mais propício para o desenvolvimento industrial do DF. “A indústria, se estruturada, vai gerar os empregos que o DF precisa. Por isso, nosso plano é fazer com que os polos funcionem efetivamente nas cidades”, completou.

Integração racial e trabalhos sociais
Além das metas desenvolvimentistas, Paulo Octávio também teve agendas sociais importantes. À noite, se reuniu com integrantes do PSD-Afro, para a assinatura do termo de compromisso com a comunidade afrodescendente do DF. O evento teve a participação do candidato a deputado distrital Jorge Vianna (PSD) e do jornalista e pastor Raul Junior. “O PSD dá um passo à frente para melhorar qualidade de vida da comunidade afrodescendente, que ainda sofre bastante e merece o nosso respeito “, afirmou.

Mais cedo, Paulo Octávio conheceu o trabalho desenvolvido pelo seu vice, Luiz Felipe Belmonte, no Real Brasília Futebol Clube. Ali são atendidos 600 meninos e meninas de categorias de base, além de atletas profissionais, com o fornecimento de cinco refeições diárias para 80 pessoas. “Essa família é grandiosa e está aqui para fazer o bem. É uma honra em ter o Belmonte como vice e saber que a Paula Belmonte será eleita deputada distrital com expressiva votação. E, juntos, vamos valorizar o esporte e o futebol em Brasília”, destacou.

O projeto social e desportivo do casal Belmonte já rendeu bons frutos. O time profissional masculino joga a primeira divisão do Candangão e, no feminino, a equipe é uma das cinco melhores do País. “Brasília é a melhor cidade para esporte e a Paula fala com emoção e sentimento deste projeto, que é lindo”, completou PO. “Hoje, no Brasil e o mundo, há 40 jogadores do DF atuando em clubes de ponta. Nenhum passou por equipes da cidade. Brasília é a única capital do mundo que não tem clubes (masculinos) na primeira divisão. Não tem sentido a cidade não ter nenhum time na série A”, comentou Luiz Felipe Belmonte.

Visita ao comércio tradicional da Asa Sul
Depois de conversar com os atletas profissionais e amadores, Paulo Octávio fez uma caminhada por quadras comerciais da Asa Sul e visitou vários estabelecimentos tradicionais da cidade, como a pizzaria Dom Bosco, fundada em 1960 por Enildo Veríssimo Gomes, e a loja de roupas Albert’s da 107 Sul, de Juarez Santana. “Vou votar no PO porque é um empreendedor e pioneiro de Brasília. Um homem que entrega a vida pela cidade e que já era para ser o governador há muito tempo”, disse Santana.

Nas imediações, Paulo Octávio encontrou a loja de chaves da dona Marina Andrade, a primeira chaveira do Distrito Federal. “Eu sempre acompanhei a vida do Paulo, sou fã do trabalho dele. Muito batalhador e vai fazer o melhor para esta cidade”, relatou Marina Andrade, que trabalha no segmento há 31 anos.

Publicidade
Publicidade