Curta nossa página


Futuro incerto

Direita vence na UE e França convoca novas eleições

Publicado

Autor/Imagem:
Antônio Albuquerque, Edição, com Start Dayli - Foto Reprodução

Os partidos de extrema direita abalaram as potências tradicionais da União Europeia com grandes ganhos em assentos parlamentares, causando uma derrota especialmente humilhante ao presidente francês Emmanuel Macron , que convocou eleições legislativas antecipadas.

Alguns votos na votação para o Parlamento Europeu ainda estavam a ser contados na segunda-feira, mas o resultado mostrou que a composição parlamentar do bloco de 27 nações se deslocou claramente para a direita. A primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, mais do que duplicou os assentos do seu partido na assembleia. E apesar de ter sido perseguido por um escândalo envolvendo candidatos, o partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha ainda reuniu assentos suficientes para ultrapassar os decaídos social-democratas do chanceler Olaf Scholz .

Sentindo uma ameaça da extrema direita, os Democratas-Cristãos da Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, já se tinham deslocado ainda mais para a direita em matéria de migração e clima antes das eleições – e foram recompensados ​​por permanecerem, de longe, como o maior grupo entre os 720 lugares. Parlamento Europeu e intermediários de facto dos poderes cada vez maiores da legislatura.

Mas o aumento dos partidos nacionalistas e populistas em toda a Europa tornará muito mais difícil para a assembleia aprovar legislação sobre questões que vão desde as alterações climáticas à política agrícola para os próximos cinco anos.

No entanto, sem dúvida, a estrela de uma noite eleitoral impressionante foi o partido Reunião Nacional de Marine Le Pen, que dominou as sondagens francesas de tal forma que Macron dissolveu imediatamente o parlamento nacional e apelou ao início de novas eleições no final deste mês. Foi um enorme risco político, uma vez que o seu partido poderia sofrer mais perdas, prejudicando o resto do seu mandato presidencial, que termina em 2027.

Le Pen ficou encantado em aceitar o desafio. “Estamos prontos para dar a volta ao país, prontos para defender os interesses dos franceses, prontos para pôr fim à imigração em massa”, disse ela, ecoando o grito de guerra de tantos líderes de extrema-direita noutros países que celebravam vitórias substanciais.

Seu Rally Nacional ganhou mais de 30% ou cerca de duas vezes mais que o partido centrista pró-europeu Renew de Macron, que deverá atingir menos de 15%.

Macron reconheceu o baque da derrota. “Ouvi a sua mensagem, as suas preocupações, e não as deixarei sem resposta”, disse ele, acrescentando que convocar eleições antecipadas apenas reforçou as suas credenciais democráticas.

Na Alemanha, o país mais populoso da UE, as projeções indicavam que os eleitores não foram dissuadidos pelos escândalos da AfD, uma vez que a percentagem subiu para 16,5%, contra 11% em 2019. Em comparação, o resultado combinado dos três partidos da coligação governamental alemã mal ultrapassou 30%.

O partido social-democrata do governo de Scholz foi humilhado quando a Alternativa para a Alemanha subiu para o segundo lugar. “Depois de todas as profecias de destruição, depois da barragem das últimas semanas, somos a segunda força mais forte”, disse Alice Weidel, jubilosa líder da AfD.

No geral, em toda a UE, dois grupos dominantes e pró-europeus, os Democratas-Cristãos e os Socialistas, permaneceram dominantes na votação que terminou no domingo. Os ganhos da extrema direita ocorreram às custas dos Verdes, que deveriam perder cerca de 20 assentos e cair para a sexta posição na legislatura. O grupo Renew, pró-negócios de Macron, também perdeu muito.

Depois de ter flertado durante a campanha com a ideia de trabalhar com um grupo político mais à direita, von der Leyen ofereceu-se no domingo à noite para construir uma coligação com os sociais-democratas, que se mantiveram firmes principalmente nas eleições, e os liberais pró-negócios.

“Somos de longe o partido mais forte. Somos a âncora da estabilidade”, disse von der Leyen. Refletindo sobre a ascensão da extrema-direita e o bom desempenho da extrema-esquerda, acrescentou que o resultado traz “grande estabilidade para os partidos de centro. Todos temos interesse na estabilidade e todos queremos uma Europa forte e eficaz.»

Na legislatura, os resultados provisórios mostraram que os democratas-cristãos teriam 189 assentos, um aumento de 13, os sociais-democratas 135, uma queda de 4 e o grupo pró-empresarial Renew 83, uma queda de 19. Os Verdes caíram para 53, uma queda de 18.

A Alemanha, tradicionalmente um reduto dos ambientalistas, exemplificou a humilhação dos Verdes, que se previa que caíssem de 20% para 12%. Com a expectativa de mais perdas em França e noutros países, a derrota dos Verdes poderá muito bem ter um impacto nas políticas da UE em matéria de alterações climáticas , ainda as mais progressistas em todo o mundo.

Membros seniores do partido no parlamento da UE deveriam realizar conversações na segunda-feira para ver que alianças poderiam ser estabelecidas. A chave para o futuro funcionamento da assembleia será saber se a extrema direita se unirá num bloco suficientemente forte para desafiar os principais grupos pró-europeus.

As eleições ocorrem num momento de teste para a confiança dos eleitores num bloco de cerca de 450 milhões de pessoas. Nos últimos cinco anos, a UE foi abalada pela pandemia do coronavírus , por uma recessão económica e por uma crise energética alimentada pela guerra da Rússia na Ucrânia. Mas as campanhas centraram-se muitas vezes em questões de países individuais e não em interesses europeus mais amplos.

Desde as últimas eleições na UE, em 2019, partidos populistas ou de extrema-direita lideram agora governos em três países – Hungria, Eslováquia e Itália – e fazem parte de coligações governantes noutros, incluindo a Suécia, a Finlândia e, em breve, os Países Baixos.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2024 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.