Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Impérios desmoronando

Disparada da inflação e custo de vida deixam G-20 tontos

Publicado

Foto/Imagem:
Evgeny MIkhailov/Via Sputniknews - Foto Reprodução

A disparada da inflação e do custo de vida, bem como o agravamento das crises de dívida, serão as principais ameaças à atividade empresarial nos países do G20 por pelo menos dois anos, segundo dados do Fórum Econômico Mundial, publicados nesta segunda-feira, 7.

A Pesquisa de Opinião Executiva realizada pelo Centro para a Nova Economia e Sociedade do WEF perguntou a mais de 12.000 líderes empresariais de 122 economias ao redor do mundo, “quais são os cinco riscos mais prováveis ​​de representar a maior ameaça ao seu país nos próximos dois anos?”

Entre cinco categorias – econômica, geopolítica, ambiental, social e tecnológica – a maioria dos entrevistados apontou as crises de inflação e dívida (econômica) e crise de custo de vida (social) como os problemas mais cruciais.

A possibilidade de um grande confronto geoeconômico também preocupa empresas nas economias desenvolvidas, enquanto líderes empresariais de mercados emergentes indicam que a falta de serviços digitais continua sendo um problema sério. Os problemas ambientais foram batidos no final da lista, enquanto os problemas de segurança cibernética não chegaram ao top 10.

A Europa e muitas outras regiões enfrentaram uma inflação vertiginosa este ano, depois que Washington, Londres e Bruxelas impuseram sanções à Rússia por sua operação militar na Ucrânia. Essa decisão exacerbou os problemas contínuos no mercado de combustíveis, resultando em uma crise de combustível completa, uma vez que as sanções anti-Rússia aumentaram a volatilidade do mercado e prejudicaram as cadeias de suprimentos em todo o mundo.

Os altos preços dos combustíveis entraram em foco público na UE, Grã-Bretanha e EUA. Muitos países europeus tiveram que recorrer a medidas de contingência energética , enquanto as contas de eletricidade aumentaram dramaticamente, já que a Rússia era o principal fornecedor de combustível do bloco.

Publicidade
Publicidade