Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Dinamarca

Efeitos crônicos da Covid afetam mais as mulheres

Publicado

Foto/Imagem:
Igor Kusnetsov/Via Sputniknews - Foto Reprodução

Embora seja uma memória distante para a maioria, a epidemia de COVID-19 manteve seu controle debilitante sobre um grupo específico de pessoas.

Um novo estudo do grupo de pesquisa Defactum na região da Jutlândia Central da Dinamarca e no Hospital Universitário de Aarhus indicou que aqueles que ainda procuram ajuda médica para os efeitos crônicos do COVID-19 são predominantemente compostos por mulheres bem-educadas com idade entre trinta e sessenta anos. Em seu estudo com 448 pacientes que buscavam ajuda para efeitos tardios, 75% eram mulheres.

No estudo, três em cada quatro pacientes sofriam de fadiga mental moderada a esmagadora, e metade estava em licença médica prolongada. Os entrevistados também admitiram ter uma sensação de “névoa mental” e disseram ter dificuldade para se concentrar, manter o ritmo de uma conversa e sentir tonturas.

No geral, a lista de queixas associadas ao longo COVID e seus efeitos crônicos inclui tudo, desde falta de ar, tosse e dor no peito até depressão, dores musculares e erupções cutâneas. A terapeuta ocupacional e pesquisadora sênior Lisa Gregersen Ostergaard descreveu as mulheres como “indo bem em suas carreiras e tendo uma vida familiar”.

“Portanto, trata-se de mulheres que estão em um lugar na vida onde muita coisa acontece”, disse ela à mídia dinamarquesa. “Eles estão acostumados a ser ativos, como fazer caminhadas ou malhar. Mas eles simplesmente não podem mais fazer isso”, acrescentou Ostergaard.

Até agora, os pesquisadores não sabem ao certo por que exatamente esse grupo específico foi afetado. Uma explicação poderia ser que as mulheres bem-educadas geralmente estão mais conscientes de sua saúde e não hesitam em procurar ajuda médica quando algo dá errado. “Pode muito bem ser que eles tenham problemas em grande medida. Mas também pode ser que vejamos um grupo um pouco mais apto a navegar no sistema de saúde”, sugeriu Ostergaard.

Anteriormente, a Autoridade de Saúde Dinamarquesa e a Organização Mundial da Saúde (OMS) estimavam que cerca de 10% das pessoas que tiveram COVID podem esperar algum tipo de efeito crônico. Com as novas cepas instaladas, Ostergaard estimou que sua participação caiu para cerca de 5%. No geral, a Dinamarca, que tem uma população de 5,8 milhões, testemunhou 3,4 milhões de casos de COVID-19 e mais de 8.000 mortes. Em todo o mundo, cerca de 670 milhões de casos de coronavírus ocorreram, com mais de 6,7 milhões de mortes.

Publicidade
Publicidade