Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Brasília

Enem está mais enxuto e mais conteudista

Mariana Tokarnia

Professores de escolas públicas e privadas afirmaram que a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano está mais enxuta, com menos textos de apoio, mais conteudista e com temas diferentes de anos anteriores. Eles avaliam que as primeiras provas do Enem 2019 dão indícios de como serão as provas nos próximos anos.

Neste domingo (3), 3,9 milhões de estudantes resolveram, em todo o país, questões de linguagens e ciências humanas e fizeram a redação. No próximo domingo (10), serão feitas as provas de matemática e ciências da natureza.

“Ficou claro que, sim, esta é uma prova diferente agora. Então, a estatística que tínhamos antes, de assuntos mais cobrados, possivelmente vai ser revista”, disse o professor de história Evandro Santana, da Escola Gisela Salloker Fayet, em Domingos Martins, Espírito Santo.

A Gisela Salloker Fayet está entre as escolas públicas que atendem alunos de baixo nível socioeconômico e se destacam no Enem. As instituições foram identificadas no estudo Excelência com Equidade no Ensino Médio: A Dificuldade das Redes de Ensino para Dar um Suporte Efetivo às Escolas.

Neste ano, todos os estudantes da escola de Domingos Martins inscreveram-se no Enem. “O Enem tem uma importância quase central no ensino médio”, ressaltou o professor Santana, que fez um levantamento dos temas mais abordados em história desde o Enem 2013. “Sabia que regime militar e Era Vargas [período em que Getúlio Vargas governou o Brasil] eram questões certas todos os anos. Este ano não caiu nada. Os conteúdos cobrados também foram surpresa.”

O professor Aurélio de Menezes, que leciona história, sociologia e direitos humanos na Escola de Referência em Ensino Médio de Salgueiro, município com cerca de 60 mil habitantes, no sertão de Pernambuco, também percebeu as mudanças. “Teve mais de uma questão de Idade Média, quando tinha a [história] moderna e a contemporânea toda para serem cobradas. Cada vez mais, os assuntos históricos têm sido ensinados em diálogo com o presente, com a contemporaneidade”, destacou. A escola pública de Salgueiro também é um dos destaques no Excelência com Equidade.

Os dois professores relataram, porém, as dificuldades que os estudantes tiveram no exame, sobretudo com o tema da redação, que neste ano foi Democratização do Acesso ao Cinema no Brasil.

“O tema da redação foi muito bom”, afirmou Menezes, que ressaltou: “para quem tem um repertório de assuntos acumulados, seria tranquilo, mas tratando-se da realidade brasileira – sobretudo com a concentração de salas de cinema em médias e grandes cidades e com plataformas de streaming [tecnologia de transmissão de conteúdo online] pagas, como a Netflix –, ainda temos um certo elitismo pela concentração de renda, ainda não é disseminado.”

Menezes lembra que Salgueiro já teve um cinema “há três, quatro décadas. Hoje não temos mais cinema”. A escola havia promovido, logo antes do Enem, no entanto, um seminário sobre cinema. “Isso facilitou”, disse o professor.

Estrutura mantida
Para o professor de história do Colégio Mopi, no Rio de Janeiro, Alexandre Chada, a prova manteve sua estrutura, mas ficou mais conteudista. “As questões conteudistas não exigem nenhum tipo de habilidade que o aluno vai usar na universidade. É meramente decorar conteúdos”, explicou Chada. “Mostrar habilidade de raciocínio, de reflexão, comparar situações, fazer relações entre conteúdo de história e atualidades, isso tem que ser mais explorado na prova”, afirmou o professor.

Ele também sentiu falta de conteúdos de história moderna e contemporânea. “A gente prepara os estudantes para temas contemporâneos e eles fazem a prova e não cobram regime militar, nem Era Vargas, que são fundamentais para o entendimento do Brasil de hoje”, destacou Chada. “Os alunos se decepcionaram porque o Enem pegou mais matéria antiga e nada atualizado.”

Para o professor de geografia Luiz Cláudio Espírito Santo, da mesma escola, o conteúdo de geografia cobrado na prova ficou dentro do esperado, mas as questões estavam mais fáceis do que em edições anteriores. “Os enunciados foram mais simples, e as opções de resposta, mais enxutas e literais, [exigindo] menos capacidade analítica e interpretativa, o que acaba empobrecendo a questão.”

De acordo com Espírito Santo, desde 2017, a prova de humanidades segue uma tendência de cobrar mais conteúdos e menos interpretação, com menos charges, gráficos ou mapas. Em sua opinião, neste ano, uma prova mais fácil “pode nivelar por baixo a seleção do próprio concurso”.

Análise das questões
Chada destacou que, no Enem deste ano, uma questão de ciências humanas lembrava uma que foi cobrada na edição de 2011: a questão 92 do caderno branco, que teve o mesmo enunciado da 19 do caderno branco daquele ano. “São excluídos de votar nas assembleias paroquiais”. As questões são baseadas na Constituição Brasileira de 1824.

As questões são desenvolvidas, no entanto, de forma diferente. A questão de oito anos atrás apresentava três situações de não votantes, e os estudantes tinham que assinalar a opção com o objetivo de garantir o direito de voto. Já a questão deste ano mostra cinco situações e pede características do sistema eleitoral daquela época. “As questões são diferentes, não cabe anulação”, enfatizou Chada.

O professor elogiou a questão que trata de discriminação contra religiões de matrizes africanas, a 51 do caderno branco. O texto de apoio mostra que 57% das agressões ocorrem em locais públicos, geralmente próximos às casas de culto dessas religiões. “É muito importante sempre no vestibular discutir isso.”

Luiz Cláudio Espírito Santo destacou a questão 49 do caderno branco, que tratava de economia quilombola. O enunciado trazia dados das comunidades de Mumbuca, em Minas Gerais, que ajuda no abastecimento do município de Jequitinhonha, e de Campinho da Independência, no Rio de Janeiro, que produz artesanato e mantém um restaurante para atender turistas. “Achei a questão bem elaborada, foi um destaque positivo.”

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente