Curta nossa página


Rússia x Otan

Erdogan vai a Putin para ver se desce ou fica em cima do muro

Publicado

Autor/Imagem:
Svetiana Ekimenko/Via Sputniknews - Foto Reprodução

O presidente russo, Vladimir Putin, e seu colega Recep Tayyip Erdogan, se encontram nesta segunda, 4, na cidade turística russa de Sochi, no Mar Negro, para discutirem questões como a guerra da Ucrânia e a saída de grãos para o Ocidente e África. A informação é do porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov. Será o primeiro encontro presencial entre os dois líderes desde 13 de outubro do ano passado, em Astana, no Cazaquistão.

As relações bilaterais, a crise na Ucrânia e a guerra por procuração em curso da OTAN contra Moscou, bem como o expirado acordo de cereais do Mar Negro , são apenas algumas das questões nas quais Putin e Erdogan se concentrarão.

Os dois líderes tiveram uma conversa telefónica, durante a qual concordaram em lançar as bases para um encontro presencial.

O que esperar das conversações entre o presidente russo e o seu homólogo turco, que invariavelmente conseguiram encontrar um terreno comum e conceber soluções mutuamente aceitáveis ​​para várias crises durante reuniões anteriores?

As conversas determinarão em grande parte o futuro do colapso do acordo de grãos , e o processo será monitorado pelas Nações Unidas, disse uma fonte envolvida no processo de negociação do acordo de grãos.

“Há grandes esperanças nestas negociações, em muitos aspectos elas mostrarão clareza sobre o futuro [do acordo de grãos], todos os departamentos relevantes [da Turquia] estão trabalhando nesta direção. O processo é coordenado com a ONU, eles irão também acompanhamos estas negociações. Esperamos sinceramente que sejam realizadas de forma construtiva e que se abram oportunidades para a retomada do trabalho da nossa iniciativa”, afirmou uma fonte diplomática em Ancara.

A Rússia, a Turquia, a Ucrânia e a ONU assinaram um acordo em Istambul em 22 de julho de 2022 para retomar as exportações de grãos através dos portos ucranianos e abrir caminho para que alimentos e fertilizantes russos tenham acesso aos mercados globais, numa tentativa de estabilizar a disparada dos preços dos alimentos em meio a sanções contínuas. contra a Rússia. Embora o acordo já tivesse sido prorrogado várias vezes, expirou em meados de julho, depois de as cláusulas descritas no pacote não terem sido implementadas a favor da Rússia.

Moscou enfatizou repetidamente que a componente da Iniciativa de cereais do Mar Negro, mediada pela Turquia e pela ONU, relativa à facilitação das exportações russas de cereais e fertilizantes, não foi cumprida, especificamente no que diz respeito à reconexão dos bancos russos à SWIFT e ao desbloqueio do gasoduto de amoníaco Tolyatti-Odessa.

Mais recentemente, o ministro dos Negócios Estrangeiros turco, Hakan Fidan, revelou, após uma reunião com o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergey Lavrov, que Ancara, em cooperação com a ONU, tinha preparado novas propostas relativas à Iniciativa de Cereais do Mar Negro para a sua retomada.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse em 31 de Agosto que tinha enviado soluções concretas a Lavrov sobre um acesso mais eficaz dos produtos russos aos mercados globais como parte dos seus esforços para renovar o acordo de cereais. No entanto, as propostas carecem de garantias no que diz respeito às preocupações da Rússia, disse Sergey Lavrov. O representante russo acrescentou que falou com Guterres à margem da cimeira dos BRICS em Joanesburgo.

“Ele me contou sobre suas novas iniciativas. Ele me enviou uma mensagem sobre isso. Explicamos honestamente tanto ao secretário-geral [da ONU] quanto aos nossos amigos turcos que, ainda assim, nesta mensagem não há uma única garantia [para a Rússia]. Existem apenas promessas de tentar mais rápido, de tentar mais”, disse Lavrov aos jornalistas.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2024 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.