Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Invasão à vista

EUA ligam sinal de alerta com manobras da China em Taiwan

Publicado

Foto/Imagem:
Bartô Granja, Edição - Foto Reprodução

As Forças Armadas da China anunciaram nesta segunda-feira (8) novos exercícios militares nos mares e no espaço aéreo ao redor de Taiwan, suscitando preocupação do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, um dia após o término programado de seus maiores exercícios para protestar contra a visita da presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, Nancy Pelosi, a Taipé, na semana passada.

O Comando do Teatro Oriental da China disse que realizará exercícios conjuntos com foco em operações antissubmarino e de ataque marítimo – confirmando os temores de alguns analistas de segurança e diplomatas de que Pequim continuará a manter pressão sobre as defesas de Taiwan.

O Ministério das Relações Exteriores de Taiwan condenou a medida, dizendo que a China estava criando crises deliberadamente, e exigiu que Pequim interrompa suas ações militares e “se afaste do limite”.

“Diante da intimidação militar criada pela China, Taiwan não terá medo nem recuará, e defenderá com mais firmeza sua soberania, segurança nacional e modo de vida livre e democrático”, disse o ministério em comunicado.

Biden, em seus primeiros comentários públicos sobre o assunto desde a visita de Pelosi, disse que não estava preocupado com Taiwan, mas com as ações da China na região.

“Estou preocupado que eles estejam se movendo tanto quanto estão”, afirmou Biden a repórteres em Delaware. “Mas eu não acho que eles vão fazer nada mais do que estão fazendo.”

A secretária de imprensa da Casa Branca Karine Jean-Pierre mais tarde condenou os exercícios da China.

“Nós os condenamos desde que começaram a escalar”, disse Jean-Pierre. “Eles são provocativos, irresponsáveis e aumentam o risco de erro de cálculo. E é a isso que ele [o presidente] estava se referindo.”

A visita de Pelosi a Taiwan na semana passada enfureceu a China, que considera a ilha autogovernada como seu território e respondeu com lançamentos de teste de mísseis balísticos na região pela primeira vez, além de abandonar algumas linhas de diálogo com Washington.

A cooperação contra o tráfico ilícito de fentanil estava entre os canais que Pequim suspendeu, uma medida que o chefe da política de controle de drogas dos EUA, Rahul Gupta, chamou na segunda-feira de “inaceitável”.

A duração e a localização precisa dos exercícios mais recentes ainda não são conhecidas, mas Taiwan já diminuiu as restrições de voo perto das seis áreas de exercícios chineses anteriores ao redor da ilha.

Publicidade
Publicidade