Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Suspeitas mútuas

Europa teme uma ‘pernada’ do Irã no acordo nuclear

Publicado

Foto/Imagem:
Bartô Granja, Edição - Foto de Arquivo

O Reino Unido, a França e a Alemanha disseram no sábado, 10, que estavam céticos sobre o compromisso do Irã com um resultado bem-sucedido das negociações nucleares.

Os signatários europeus do pacto nuclear de 2015 pontuaram que a posição do Irã sobre as salvaguardas de não proliferação “contradiz suas obrigações juridicamente vinculativas e compromete as perspectivas de restauração” do acordo.

“Esta última demanda levanta sérias dúvidas sobre as intenções e o compromisso do Irã com um resultado bem-sucedido no JCPoA”, disseram eles em um comunicado conjunto, referindo-se ao pacto por seu nome formal.

“Nossa posição permanece clara e firme”, sublinharam.

O trio exigiu que o Irã fornecesse respostas confiáveis ​​às perguntas do órgão de vigilância atômica da ONU sobre o paradeiro de todo o material nuclear em seu território.

O pacto, conhecido formalmente como Plano de Ação Abrangente Conjunto, foi negociado para suspender as sanções ao Irã em troca de restrições em seu programa nuclear. Os EUA deixaram o JCPoA em 2018, permitindo que as sanções voltassem a vigorar. O Irã retaliou abandonando alguns de seus compromissos.

As negociações para retomar o acordo estão em andamento desde o início de 2021, mas o progresso tem sido limitado. O trio europeu disse que a versão final os levou ao limite de sua flexibilidade.
“Dado o fracasso do Irã em concluir o acordo sobre a mesa, consultaremos, juntamente com parceiros internacionais, sobre a melhor forma de lidar com a contínua escalada nuclear do Irã”, alertaram.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, Nasser Kanaani, acusou as potências europeias de fazer uma declaração “não construtiva” que ele alertou que poderia torpedear as negociações nucleares.

Kanaani disse que o Irã continua aberto a chegar a um acordo com as potências mundiais se elas mostrarem a vontade necessária e resistirem à pressão de terceiros, segundo a agência de notícias Irna.

Publicidade
Publicidade