Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Corte americana

Ex-presidente de Honduras indiciado por tráfico de drogas

Publicado

Foto/Imagem:
Bartô Granja, Edição - Foto Reprodução

O ex-presidente hondurenho Juan Orlando Hernandez compareceu perante um tribunal federal dos Estados Unidos pela primeira vez na sexta-feira, um dia depois de ser extraditado para enfrentar acusações de tráfico de drogas.

O juiz Stewart D. Aaron, do Tribunal Distrital de Nova York, estabeleceu 10 de maio como a data da acusação do ex-líder hondurenho. O advogado de Hernandez não fez um pedido de fiança na audiência, que foi realizada por videoconferência, segundo a AFP.

Um dia antes, Hernandez embarcou em um avião algemado e sob custódia de funcionários da Agência Antidrogas dos EUA (DEA). Ele é acusado de ajudar traficantes de drogas a contrabandear cerca de 500 toneladas de cocaína, além de pelo menos dois casos de aceitação de subornos de traficantes em Honduras e no México. Ele enfrenta três acusações de armas e delitos de drogas.

De acordo com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, as atividades pelas quais Hernandez é acusado aconteceram já em 2004, quando ele era legislador no parlamento hondurenho.

“Juan Orlando Hernández, o recente ex-presidente de Honduras, supostamente fez parceria com alguns dos mais prolíficos narcotraficantes do mundo para construir um império corrupto e brutalmente violento baseado no tráfico ilegal de toneladas de cocaína para os Estados Unidos”, disse o procurador Damian Williams.

“Hernández é acusado de ter usado seus vastos poderes políticos para proteger e ajudar traficantes de drogas e líderes de cartéis, alertando-os sobre possíveis interdições e sancionando violência fortemente armada para apoiar seu tráfico de drogas”, acrescentou Williams.

Hernandez deixou o cargo em janeiro depois de recusar disputar a reeleição, estando no cargo desde 2014. Seu governo neoliberal pró-Washington supervisionou extensas privatizações de serviços sociais, acompanhadas por uma violência vertiginosa que levou indígenas, pessoas LGBTQ e outros hondurenhos pobres e marginalizados a buscar refúgio para o norte até os Estados Unidos.

Sua sucessora, a esquerdista Xiomara Castro, atendeu rapidamente ao pedido de extradição dos EUA, e Hernandez foi preso em fevereiro. Seu marido, Manuel Zelaya, foi deposto como presidente de Honduras em 2009, depois que os EUA se opuseram à relação próxima de seu governo com Cuba e Venezuela.

Publicidade
Publicidade