Curta nossa página


Pesquisa russa

Extrato de hissopo de hedge pode avançar na cura de câncer

Publicado

Autor/Imagem:
Antônio Albuquerque, Edição, com Sputniknews - Foto Reprodução

Cientistas da Universidade Razumovsky, na Rússia, desenvolveram um medicamento fitoterápico antitumoral inovador baseado na gratiola officinalis, uma planta comumente conhecida como hissopo medicinal.

A pesquisa vem sendo feita há mais de uma década e, segundo os pesquisadores, produziu resultados convincentes. Com base nestas descobertas, a universidade recebeu aprovação do Ministério da Saúde russo para conduzir ensaios clínicos de Fase I.

O hissopo medicinal Hedge (gratiola officinalis) é uma erva selvagem e perene amplamente distribuída em várias regiões da Rússia. Embora possua propriedades tóxicas, tem sido utilizado na medicina tradicional na forma de infusões, conhecidas como “mistura Zdrenko”.

Alexander Fedonnikov, vice-reitor de Ciência e Inovações disse que este novo medicamento à base de hissopo não tem análogo direto na farmacopeia global. Ele esclareceu que os medicamentos existentes no mercado, conhecidos como medicamentos citostáticos, causam destruição maciça de células tumorais, muitas vezes acompanhada de grave toxicidade ao organismo.

No entanto, os cientistas afirmam que o seu inovador tratamento à base de plantas, à base de hissopo hedge, ativa a apoptose – morte celular programada que ocorre em condições normais de funcionamento do corpo.

“De acordo com os resultados dos estudos pré-clínicos, este medicamento produz significativamente menos efeitos colaterais e é mais bem tolerado pelo organismo”, enfatizou Fedonnikov.

Ele também disse que o extrato desenvolvido é candidato à posição de medicamento antitumoral à base de plantas de primeira classe no mundo. Segundo ele, a produção industrial e a aplicação clínica desse medicamento poderão se tornar uma tecnologia de ponta para substituição de importações no tratamento do câncer.

O processo de extração de hissopo de hedge foi desenvolvido por cientistas do Instituto de Pesquisa de Uronefrologia Fundamental e Clínica do Departamento de Anatomia Patológica e da Faculdade de Farmácia.

“Foi selecionada uma receita complexa: a erva foi misturada com álcool, dissolvida em água, clorofórmio e assim por diante. Comparando as diferentes frações do extrato, selecionamos a mais ativa. atividade”, explicou a professora Natalia Polukonova.

Ela observou que durante a pesquisa pré-clínica foram obtidos dados de segurança do medicamento para vários tipos de animais de laboratório e foi comprovada a eficácia potencial da fitopreparação.

“Nossos experimentos em animais de laboratório mostraram que um mês tomando o extrato obtido reduz a taxa de crescimento do tumor em 70 por cento. Esses são números muito promissores. Um medicamento é considerado potencialmente eficaz se retarda o desenvolvimento do tumor em pelo menos 30 por cento”, acrescentou ela. .

A universidade informou que a pesquisa foi conduzida em 10 linhas celulares de câncer diferentes, incluindo câncer de rim, câncer de bexiga, sarcoma, câncer de fígado, câncer de ovário e câncer de mama. Com base nos resultados, a universidade obteve aprovação do Ministério da Saúde russo para conduzir um ensaio clínico de Fase I. Espera-se que pacientes com câncer nos estágios finais da doença participem deste estudo.

“Esses indivíduos receberão tratamento integral e o medicamento desenvolvido está planejado para ser prescrito como um complemento”, explicou a SSMU, ressaltando que, nesse sentido, os cientistas são guiados por práticas éticas globais. Novos medicamentos antitumorais são normalmente aplicados primeiro em pacientes em estágios avançados da doença. Os ensaios clínicos serão realizados no Hospital Clínico da Universidade Mirotvortsev nº 1.

De acordo com os cientistas de Saratov, a disponibilidade de uma extensa base de matéria-prima para a coleta de hissopo medicinal selvagem, combinada com a tecnologia de produção já estabelecida, garante 100% de localização de todo o ciclo de produção na Rússia, desde a coleta da planta até a forma medicinal acabada.

“As plantas medicinais não são apenas promissoras; elas fazem parte dos nossos kits de ajuda médica há muito tempo e funcionam. A conclusão bem-sucedida deste ensaio clínico nos permitirá prosseguir para outras fases de pesquisa para avaliar sua eficácia e, após uma série de ensaios clínicos, concluir o processo de registro estadual”, observou o vice-diretor da universidade. Ele acrescentou que, com este desenvolvimento, a universidade tornou-se parte do projeto federal do Ministério da Saúde da Rússia “Ciência Médica para a Humanidade”.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2023 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.