Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Rumo à recessão

Falta de gás russo joga Europa numa encruzilhada

Publicado

Foto/Imagem:
Tim Korso/Via Sputniknews - Foto Matt Rourke

A economia da União Europeia entrará em recessão se a Rússia decidir cortar seu fornecimento de gás, que chega a 40% da demanda dos países europeus não apenas para aquecimento, mas também para geração de energia, disseram economistas do Berenberg Bank.

A Europa já está passando por choques econômicos com a inflação de alimentos e energia, que foi exacerbada pelo início da operação especial russa na Ucrânia, disseram os economistas. A situação tem as marcas da “estagflação” – um termo especial que descreve o declínio econômico e a alta inflação ao mesmo tempo. No entanto, sem o gás russo, a economia da UE mergulhará em recessão nos próximos anos, adverte Berenberg.

“Uma interrupção repentina do fornecimento de gás russo para a Europa pode levar a Europa a uma recessão. O impacto preciso de um embargo de gás tão imediato é difícil de prever”.

A recente decisão da Gazprom de cortar o fornecimento para a Polônia e a Bulgária devido à recusa em seguir as novas regras de pagamento do gás “em rublos” foi projetada para mostrar que Moscou estava pronta para cumprir sua promessa de fechar a válvula se suas novas demandas não forem atendidas. Especificamente, os países compradores de gás agora precisam depositar seus pagamentos não em uma subsidiária europeia, mas na sede do Gazprombank na Rússia e depois convertê-los em rublos.

A regra diz respeito apenas aos países que impuseram sanções à Rússia, incluindo o congelamento das reservas de seu Banco Central, e que Moscou chama de ilegais.

Os economistas do Berenberg Bank avaliaram que o impacto da retirada repentina do gás russo da UE reduziria o crescimento da economia europeia em 3 pontos percentuais em 2023. Eles suspeitam que isso traria um “grande golpe” à atividade econômica da Europa.

A remoção de tais volumes de gás provavelmente levará os governos de alguns países europeus a implementar o racionamento de combustível ainda em 2022, sugeriu Edward Gardne, economista da Capital Economics Commodities.

“Se a Rússia cortar as exportações de gás para a Alemanha, o governo provavelmente racionaria o consumo de gás. As famílias provavelmente estariam protegidas, então a indústria (especialmente química e metalurgia) seria a mais atingida, causando uma recessão profunda”, disseram economistas de Berenberg.

A decisão de Moscou de fechar a válvula para a UE atingirá principalmente durante o inverno, onde “preços catastróficos” podem ser vistos em meio à falta de fornecimento de gás e aos já altos preços da energia, disse o CEO da Skylar Capital Management, Bill Perkins.

“Se a Rússia fechar o gás e o petróleo, a Europa estará lutando neste inverno para manter o aquecimento e apenas manter suas economias”, sugeriu. Perkins afirmou ainda que era difícil ver “como o mercado se equilibra” sem ficar sem gás caso Moscou decida interromper o fornecimento à UE.

A Polônia e a Bulgária até agora são os únicos países europeus que se recusaram a pagar pelo gás de acordo com o novo esquema de Moscou, alegando que violaria as sanções que a UE estabeleceu sobre a operação especial russa na Ucrânia. As autoridades da UE continuam aparentemente indecisas se esse é realmente o caso, já que na semana passada Bruxelas emitiu um aviso que propunha uma maneira de cumprir as exigências do Kremlin e não violar as sanções, enquanto esta semana a UE novamente alegou que isso era impossível.

Publicidade
Publicidade