Curta nossa página


Nova Caledônia

França luta para manter o controle na última colônia

Publicado

Autor/Imagem:
Mary Manley/Via Sputniknews - Foto Reprodução

O governo francês destacou unidades militares para a Nova Caledônia depois que um estado de emergência foi declarado no Território Insular Francês em meio a violentos protestos em massa. A agitação é uma resposta às mudanças apoiadas por Paris nas leis eleitorais locais. A nação insular fica entre a Austrália e Fiji e é território francês desde o século XIX. O povo indígena Kanak representa cerca de 40% da população.

O ativista pela paz, escritor e professor KJ Noh e o analista Steve Poikonen debateram, em podcast, a agitação em curso no país. “Esta era originalmente uma colónia de escravos britânica, e depois tornou-se uma colónia de escravos francesa e uma colónia penal francesa que se parecia um pouco com a Austrália. E o povo indígena Kanak foi escravizado. Eles foram mantidos em reservas”, explicou Noh.

“Essencialmente, um movimento de independência começou após a Segunda Guerra Mundial e foi violento e brutal. Não foi diferente do que vimos na Argélia, com os franceses fazendo uma contra-insurgência violenta.”

“Mas eventualmente os franceses decidiram que iriam fazer acordos com o povo Kanak para a independência e, em 1988, assinaram o chamado Acordo Matignon, concordando que dentro de 10 anos, realizariam um referendo para a independência total. Quando chegou o ano de 1998, os franceses, em vez de realizarem o referendo, disseram: “ah, é preciso esperar mais 20 anos”. Isto é chamado de Acordo de Nouméa, e isso foi essencialmente um retrocesso por mais 20 anos”, sugeriu Noh.

“Esta nova legislação de Paris diz que os novos colonos na Caledônia podem votar nas eleições da Caledónia, incluindo o referendo. Este é essencialmente um plano para impedir a independência”, acrescentou. “É muito, muito claro. E não só querem permitir que novos colonos, novos europeus, novos colonos franceses votem, mas também que os franceses ainda controlem a imigração. Então eles decidem quem irá para a Caledônia e quem essencialmente influenciará o público votante.”

Na quinta-feira , a França acusou o Azerbaijão de fomentar os motins na Nova Caledônia, com o ministro do Interior francês, Gérald Darmanin, dizendo que a violência tem sido apoiada pelo Azerbaijão. Philippe Gomes, ex-presidente da Nova Caledônia, também afirmou que o Azerbaijão está financiando o grupo o pró-independência Kanak e a Frente Socialista de Libertação Nacional. O país do Leste Europeu rejeitou veementemente as acusações.

“O Azerbaijão sempre foi um forte apoiador do movimento não-alinhado. E com o seu Grupo de Iniciativa Baku, eles apoiaram verbal e fortemente estes movimentos de independência nos territórios franceses, e os franceses estão usando isso para caracterizar isto como interferência externa”, explicou Noh.

O presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev, acusou repetidamente a França de neocolonialismo e apoiou a independência da França. O país também fundou o Grupo de Iniciativa Baku, que reúne 14 movimentos políticos em todo o antigo Império Francês num esforço de descolonização.

“Temos de compreender isto no contexto global mais amplo, que é essencialmente mais um sinal da ascensão do mundo multipolar que consiste nos países colonizados a eliminar o colonizador”, acrescentou. “Eles não querem mais ser vassalos coloniais ou neocoloniais da França, independentemente de como os franceses a caracterizem. Eles querem se livrar dessas algemas coloniais.”

“Os franceses não querem desistir do seu império”, disse Noh. “Eles querem manter as suas colônias e, claro, há também considerações internas. Macron não parece bem. Ele não quer ser aquele que perdeu mais um território.”

Comentando as ambições neocoloniais francesas, Poikonen destacou as recentes falhas de Paris em manter o controlo sobre o que costumavam ser os seus territórios ultramarinos.

“Eles foram expulsos do Níger, do Mali e de Burkina Faso. O níquel que eles querem da Nova Caledônia é apenas parte do engarrafamento da energia verde que estão tentando vender às pessoas um futuro sustentável construído sobre, vocês sabem, a colheita de todos os restantes minerais do solo e a destruição do planeta no futuro”, esclareceu o analista.

“E Macron sabe disso, mas perdeu cerca de 70% do urânio da França quando foi expulso do Níger. Eles estão perdendo contratos. Acho que o motivo pelo qual eles estão em última análise lutando é manter algum tipo de influência internacional no que diz respeito às rotas marítimas. E, fora isso, salvem a aparência e tentem não parecer que estão sendo espancados onde quer que vão, onde quer que estejam”, acrescentou Poikonen.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2024 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.