Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Vencendo pelo cansaço

G7 vai armar mais a Ucrânia até a Rússia pedir “arrego’

Publicado

Foto/Imagem:
Antônio Albuquerque, Edição - Foto Reprodução

Analistas chineses acreditam que o Ocidente, de olho em uma prolongada guerra por procuração para esgotar a Rússia, continuará a atiçar as chamas fornecendo mais armas à Ucrânia. Por iso, deveria ser responsabilizado pelas atuais tensões crescentes.

Observadores também disseram que um ponto-chave para a futura escalada do conflito está na atitude da Europa, e eles instaram a Europa a evitar se tornar um vassalo completo dos EUA para arriscar perder a independência e minar seus próprios interesses.

O presidente dos EUA, Joe Biden, e os líderes do G7 realizaram uma reunião virtual na terça-feira para discutir seu compromisso de apoiar a Ucrânia e responsabilizar a Rússia por “agressão”, incluindo seus recentes “ataques com mísseis em toda a Ucrânia”, informou a Reuters. O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, discursou na reunião e pediu ajuda para a criação de um escudo aéreo.

A reunião do G7 foi realizada depois que a Rússia lançou um ataque em larga escala contra alvos ucranianos na segunda-feira “em retaliação” por uma explosão mortal na ponte da Crimeia. Também ocorre em meio a uma iminente crise de energia na Europa que abalou sua unidade.

Sobre a escalada das tensões do conflito Rússia-Ucrânia, Mao Ning, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, disse na coletiva de imprensa de rotina de terça-feira que os desenvolvimentos em andamento são preocupantes.

A China, disse, pede que as partes relevantes encontrem maneiras adequadas de lidar com as diferenças por meio do diálogo, e que a China está pronta para trabalhar com a comunidade internacional e continuar a desempenhar um papel construtivo nos esforços de desescalada da guerra.

Um especialista de Pequim em estudos da Rússia, Europa Oriental e Ásia Central disse sob condição de anonimato, que a reunião do G7 serve parcialmente para ajudar os EUA a reunir seus aliados em meio a rachaduras emergentes entre os EUA e a Europa e dentro da Europa com o escalada do conflito Rússia-Ucrânia, bem como o aprofundamento da crise energética.

Enquanto isso, a reunião do G7 também visa desgastar a Rússia com apoio militar contínuo à Ucrânia, disse o especialista. Mais apoio militar à Ucrânia também será uma resposta do Ocidente ao ataque da Rússia a Kiev, pontuou.

Observadores chineses disseram que os EUA e o Ocidente devem ser responsabilizados por alimentar as tensões já escaladas quando a tarefa urgente é pedir a todas as partes que cessem o fogo por meio de conversas e negociações.
Cui Heng, pesquisador assistente do Centro de Estudos Russos da Universidade Normal da China Oriental, disse ao Global Times na terça-feira que parece que a Europa foi sequestrada pelos EUA e é incapaz de tomar decisões com base em seus próprios interesses.

Quanto à reunião completa dos líderes da Otan nos próximos dias, Cui disse que a “condenação” da Rússia provavelmente será a principal agenda, já que há ferramentas muito limitadas para o Ocidente sancionar a Rússia.
O especialista citado acima disse que o Ocidente está organizando ativamente a guerra por procuração e, enquanto isso, os EUA também manipulam a Ucrânia por meio de um sistema de governança externo.

“O sistema permite que os EUA usem a fraqueza das elites ucranianas contra eles, ao mesmo tempo em que espalham desinformação na Ucrânia”, disse o especialista. De acordo com o Defense News, espera-se que o Congresso dos EUA aloque um total de mais de US$ 65 bilhões em ajudas à Ucrânia este ano por meio de vários pacotes de ajuda.

As ondas de ajuda do governo Biden à Ucrânia saíram pela culatra em casa, quando os republicanos o criticaram por desestabilizar o mercado e “alimentar a guerra”. Para a tendência futura do conflito Rússia-Ucrânia, o especialista citado acima disse que o grau de escalada da situação no futuro depende da atitude da Europa.

O especialista acredita que os movimentos da Rússia visavam forçar o Ocidente – principalmente a Europa – a mudar sua atitude em relação à Rússia, e a Rússia jogou sua cartada energética para pressionar a Europa para que esta não se transformasse em um vassalo completo dos EUA.

Possíveis cenários futuros incluem a independência da Europa dos EUA – indicando que a Rússia e a Europa podem ter diálogo, e a Europa se separando com alguns países amarrando-se à carruagem dos EUA e outros optando por se comunicar com a Rússia, disse o especialista.

Antes da reunião do G7, Biden conversou com Zelensky na segunda-feira, durante a qual Biden prometeu continuar fornecendo à Ucrânia o apoio necessário para se defender, incluindo sistemas avançados de defesa aérea, de acordo com um comunicado da Casa Branca.

A Tass informou na terça-feira que as declarações recentemente anunciadas de Washington sobre sua prontidão para fornecer à Ucrânia suprimentos adicionais de produtos militares provam que os EUA são parte do conflito, afirmou o embaixador russo nos EUA, Anatoly Antonov.

Embora a Casa Branca não tenha especificado quais sistemas de defesa aérea Biden havia discutido com Zelensky, a CNN nomeou o National Advanced Surface-to-Air Missile System como um possível candidato, que supostamente seria capaz de engajar mísseis de cruzeiro russos.

Do ponto de vista técnico, os sistemas de defesa aérea a serem entregues à Ucrânia mencionados nas reportagens da mídia têm, de fato, o potencial de defesa contra mísseis de cruzeiro russos, porque os mísseis de cruzeiro em geral voam em velocidades mais lentas e em altitudes mais baixas, tornando-os alvos vulneráveis ​​como desde que sejam detectados, disse um especialista em defesa que pediu anonimato ao Global Times na terça-feira.

Agora que a Otan está determinada a confrontar a Rússia usando a Ucrânia , os EUA e seus aliados provavelmente entregarão esses sistemas o mais rápido possível, disse o especialista.

Especialistas acreditavam que os EUA e a Otan enviarão mais armas para a Ucrânia para aumentar ainda mais as tensões, mas é improvável que enviem armas de destruição em massa. Enquanto isso, os estoques militares dos membros da Otan estão sendo esgotados em alta proporção devido à ajuda à Ucrânia, de acordo com relatos da mídia.

Publicidade
Publicidade