Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mãos no botão

General prevê escalada russa para guerra mundial

Publicado

Foto/Imagem:
Andrei Dergalin/Via Sputniknews - Foto Reprodução

O general do Exército dos EUA, Mark Milley, comandante do Estado-Maior Conjunto, fez uma avaliação bastante sombria da situação global à luz da crise em andamento na Ucrânia, ao testemunhar sobre o orçamento de defesa durante uma audiência no Senado norte-americano.

“Estamos entrando em um mundo cada vez mais instável e um potencial para um conflito internacional significativo entre grandes potências está aumentando, não diminuindo”, disse Milley.

Ele também afirmou que os Estados Unidos enfrentam atualmente duas potências globais, China e Rússia, ambas as quais, segundo ele, possuem capacidades militares significativas e buscam “mudar fundamentalmente a atual ordem baseada em regras”.

Anteriormente, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, alertou que, embora o risco de uma guerra nuclear hoje seja significativo e que esse problema não deve ser subestimado, há lados que parecem ansiosos para estimular artificialmente essa ameaça.

Observando que a Rússia continua aderindo ao princípio de que a guerra nuclear é inadmissível – uma posição que foi reiterada em janeiro pelas cinco potências nucleares do mundo – Lavrov disse que não seria bom ver tais riscos serem provocados artificialmente, pois parece haver quem o queira fazer.

“O perigo é sério, é real e não deve ser subestimado”, disse ele durante entrevista à televisão estatal russa. Lavrov também criticou a ajuda militar que os Estados Unidos e alguns de seus aliados vêm fornecendo à Ucrânia em meio ao conflito, argumentando que isso dificulta os esforços para resolver a guerra por meio da diplomacia.

“Kiev está confiando no que lhes foi prometido por aqueles que os convocam para ‘impedir que a Rússia vença'”, disse ele. “Eles continuarão com essa linha injetando enormes quantidades de armas na Ucrânia. E se isso continuar, as negociações dificilmente terão resultado.”

Desde o início do conflito na Ucrânia, os EUA, o Reino Unido, a Alemanha e vários outros estados forneceram a Kiev uma vasta gama de armas e equipamentos, incluindo sistemas de armas antiaéreas e antitanques portáteis, veículos blindados, armaduras e rações alimentares.

Publicidade
Publicidade