Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Novo nicho

Guedes vê oportunidades com redesenho de cadeias globais

Publicado

Foto/Imagem:
Camila Maciel/Via ABr - Foto Marcelo Camargo

O ministro da Economia, Paulo Guedes, avalia que a reconfiguração das cadeias produtivas globais, resultante da pandemia da covid-19 e da guerra na Ucrânia, pode se converter em oportunidade para o Brasil.

“O Brasil tem uma oportunidade histórica de emergir como um país de grandes recursos que é: uma potência digital, a quarta maior do mundo, maior penetração digital; uma potência energética, energia renovável, ninguém tem a matriz mais limpa e mais diversificada que a brasileira; uma potência verde, ambiental; e ao mesmo tempo uma potência alimentar”, disse em evento do setor automotivo.

O ministro citou avaliações feitas pelo Tesouro dos Estados Unidos e pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que indicam dois requisitos para os futuros investimentos. Uma delas é que não se deve investir muito longe, tendo em vista possíveis problemas logísticos por ter o abastecimento longe da produção.

“Não adianta você ter os semicondutores sendo produzidos lá em Taiwan, onde são produzidos 80% de todos os semicondutores do mundo, porque, se tiver qualquer desorganização, como foi a crise da covid, você paralisa 5G, telecomunicações, indústria automobilística”, disse.

O outro requisito é a manutenção de boas relações com o país fornecedor. “Tem que ser amigo. A Rússia, por exemplo, está muito perto da Europa. Tem uma parte do país, inclusive, que está na Europa continental, mas são hostis”, lembrou.

Guedes destacou medidas que ajudaram a preservar o emprego durante a pandemia da covid-19, como o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda. O ministro estima que a taxa de desemprego deve chegar à casa de 8% até o final do ano. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em relação ao trimestre encerrado em junho, mostram uma taxa de 9,3%.

Publicidade
Publicidade