Curta nossa página


China sai na frente

Humanoides com IA criarão mercado de 150 bi de dólares

Publicado

Autor/Imagem:
Fantine Garnier/Via Sputniknews - Foto Reprodução

Na próxima década, os robôs humanoides poderão substituir os trabalhadores humanos em muitos campos, dizem especialistas. Embora antes fossem o reino da ficção científica, os robôs humanoides estão se tornando mais comuns, com a China revelando um plano para produção em massa.

O Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação chinês acaba de publicar novas diretrizes sobre a fabricação de robôs para o rápido avanço do setor de inteligência artificial do país, prevendo produzir robôs humanoides em massa até 2025.

Em 2027, os robôs humanoides poderiam começar a tem um impacto na economia, observaram, embora salientando que ainda há vários avanços tecnológicos importantes a serem feitos.

Até lá, “a inovação tecnológica dos robôs humanoides será significativamente melhorada, um sistema de cadeia de abastecimento industrial seguro e confiável será formado, uma ecologia industrial com competitividade internacional será construída e nossa força abrangente alcançará o nível avançado do mundo”, anunciou o ministério.

A China é líder mundial em inteligência artificial e robótica, com os planejadores econômicos do país socialista impulsionando o campo nos setores da educação, da investigação e da indústria transformadora.

O Conselho de Estado da China apresentou o Plano de Desenvolvimento de IA de Nova Geração, um roteiro para se tornar líder mundial em inteligência artificial até 2030, e reservou 400 bilhões de yuans (60 bilhões de dólares) para desenvolver o núcleo da sua indústria de IA.

No entanto, a corrida tanto pela IA como pelos robôs humanoides é global. No início deste ano, a União Europeia proibiu a exportação de certas tecnologias de IA para a China, e os EUA proibiram também a venda de certos chips de computador relacionados com IA a empresas chinesas.

Empresas como Tesla, Agility, Apptronic e Hanson Robotics introduziram robôs humanoides nos últimos anos, e inúmeras instalações de pesquisa e universidades estão realizando projetos semelhantes.

A Goldman Sachs previu no início deste mês que, até 2035, a indústria da robótica humanoide poderia valer 150 bilhões de dólares em todo o mundo, dizendo que poderia “preencher 4% da escassez projetada de mão-de-obra industrial nos EUA até 2030 e 2% da procura global de cuidados a idosos até 2035”.

Especialistas destacaram recentemente muitos dos usos potenciais dos robôs humanoides inteligentes, desde cuidar de idosos até realizar medicina de precisão em partes remotas do campo ou no campo de batalha.

“A produção em massa de robôs a preços razoáveis ​​é alcançável com economias de escala e avanços tecnológicos, e prevemos todos os tipos de robôs apoiando as forças de trabalho na indústria, saúde, construção, transporte, hotelaria e muito mais”, disse um especialista.

“Robôs inteligentes podem aumentar a produtividade, melhorar o controle de qualidade e ajudar a realizar tarefas repetitivas ou perigosas”, pontuou.

Outro especialista observou: “Agora temos robôs que também reagem às emoções e ao comportamento de leitura. Teremos robôs lidando com transtornos mentais, transtornos comportamentais, com crianças e também com adultos. Se pensarmos nos idosos, teremos muita gente com mais de 65 anos. Os robôs podem entrar em ação para apoiar e ajudar, o que também permite que as pessoas vivam mais.”

Outro especialista observou que os robôs podem “mais facilmente” realizar tarefas repetitivas e podem até substituir um grande número de trabalhadores humanos nas indústrias transformadoras, mas salientou que “precisaremos sempre de técnicos robóticos”, humanos que monitorizem e forneçam manutenção aos robôs.

“Penso que veremos gradualmente a sua utilização em alguns sectores para apoiar os trabalhadores existentes”, disse. “Por exemplo, robôs humanoides poderiam ser empregados em fábricas flexíveis, trabalhando com pessoas para montar peças de equipamentos. Eles também poderiam ser usados ​​para assistência social ou também como ferramentas auxiliares de ensino nas escolas.”

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2023 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.