Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Chega pra lá

Ilhas Salomão proíbem navio de guerra americano em suas águas

Publicado

Foto/Imagem:
Bartô Granja, Edição - Foto Reprodução

As Ilhas Salomão tiveram que adiar a entrada de um navio da Guarda Costeira dos EUA no início deste mês devido à apresentação tardia de informações necessárias para aprovar o acesso ao país, disse o primeiro-ministro Manasseh Sogavare nesta terça-feira, segundo a Unidade de Comunicação do Governo. (UGC).

O cúter da Guarda Costeira dos EUA Oliver Henry foi impedido de entrar para uma escala logística em Guadalcanal devido a um atraso na apresentação dos documentos necessários, levando o navio a deixar as águas das ilhas antes que a aprovação para entrada fosse concedida na noite de 20 de agosto.

As Ilhas Salomão solicitaram aos países parceiros que suspendam as visitas navais ao país até que um mecanismo nacional revisado para solicitações de entrada esteja em vigor, disse o GCU em comunicado.

“Para isso, solicitamos aos nossos parceiros que nos dessem tempo para revisar e colocar em prática nossos novos processos antes de enviar novos pedidos de entrada de navios militares no país. Assim que o novo mecanismo estiver em vigor, informaremos a todos. que o novo processo seja mais suave e oportuno”, disse Sogavare.

As Ilhas Salomão tiveram “experiências infelizes” com navios da marinha estrangeira que entraram nas águas do país durante o ano sem autorização diplomática concedida e gostariam de evitar que tais incidentes se repetissem, disse o comunicado.

Desde então, as Ilhas Salomão receberam o navio-hospital Mercy dos EUA na capital de Honiara para realizar vários programas de saúde, acrescentou o comunicado.

A situação ocorre em meio ao aumento das preocupações dos EUA e do Ocidente coletivo sobre o aumento da cooperação de segurança entre a China e as Ilhas Salomão, com o ex-primeiro-ministro australiano Scott Morrison tendo chamado a construção de uma base chinesa nas ilhas uma “linha vermelha” para Canberra e Washington.

Publicidade
Publicidade