Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Voz da oposição

Ilhas Salomão querem ver militares da Austrália bem longe

Publicado

Foto/Imagem:
Rishikest Kumar/Via Sputniknews - Foto Reprodução

O líder da oposição das Ilhas Salomão, Matthew Wale, criticou na quarta-feira, 2, a Austrália por fornecer dezenas de fuzis semiautomáticos fabricados nos EUA para a Força Policial Real do governo local. Ele observou que a Austrália está sendo movida por sua “ansiedade” sobre a crescente presença da China na região do Pacífico. “Obviamente, não temos ameaças externas. Então, por que a introdução dessas armas de alta potência? Ou estamos no caminho de ser militarizados novamente?”, perguntou.

Wale também se opôs à medida dada a “história sombria das armas” das Ilhas: a nação do Pacífico Sul enfrentou um conflito étnico de cinco anos a partir de 1998 que custou cerca de 200 vidas. Com isso em mente, ele observou que receber rifles MK18 para um país que tem menos de 1.800 policiais é semelhante a nos armarmos “contra nossos próprios cidadãos”.

Canberra defendeu a medida dizendo que as armas forneceriam à RSIPF “capacidades aprimoradas para combater ameaças criminosas e manter a paz e a estabilidade” antes dos Jogos do Pacífico no próximo ano e das eleições nacionais do país insular em 2024.

A entrega de armas e veículos militares ocorre dias depois que um grupo de 32 policiais das ilhas recebeu treinamento em técnicas de policiamento na China sob o pacto bilateral de segurança assinado em abril, um acordo que alarmou os EUA e seus aliados.

O pacto de segurança Pequim-Honiara foi assinado meses depois que o governo do primeiro-ministro Manasseh Sogavare reprimiu os tumultos em massa na capital em novembro passado. Pequim diz que seu pacto de segurança permitirá que a polícia chinesa proteja o pessoal do país e proteja os projetos chineses na ilha.

Publicidade
Publicidade