Curta nossa página


Reino Unido

Inteligência Artificial cria meia para combater demência

Publicado

Autor/Imagem:
Svetiana Ekimenko/Via Sputniknews - Foto Reprodução

Um par de meias “inteligentes” recém-inventadas com inteligência artificial (IA) pode ser inestimável para pacientes com demência. Não parecendo muito diferentes das meias comuns e até mesmo laváveis ​​na máquina, essas meias são capazes de monitorar a frequência cardíaca, os níveis de suor e o movimento das pessoas que as usam, de acordo com pesquisadores da Universidade de Exeter, no Reino Unido. Os cuidadores podem acessar as métricas de um paciente em um aplicativo especial.

A demência, causada por danos às células cerebrais, é um termo que abrange uma ampla gama de condições médicas, incluindo a doença de Alzheimer, trazendo consigo manifestações como perda de memória, declínio nas habilidades de pensamento, resolução de problemas e outros sintomas graves o suficiente para interferir na vida cotidiana.

As “SmartSocks”, como foram chamadas, alertariam os cuidadores sobre qualquer sofrimento experimentado por pessoas que sofrem de tal condição. As meias, segundo seus criadores, reconhecer os primeiros sinais indicadores de angústia; alertam os cuidadores sobre o aumento do risco de agitação; não precisam de recarga e são laváveis.

“Tive a ideia do SmartSocks enquanto era voluntário em uma casa de repouso para demência… Até agora, o SmartSocks tem sido incrivelmente bem recebido em ambientes de atendimento e estou animado para ver o impacto que nossos produtos podem ter no fornecimento de alertas precoces. de agitação e quedas, permitindo que os funcionários da casa de repouso tomem uma intervenção precoce”, disse o inventor à mídia do Reino Unido. Ele explicou que o pé é ótimo para coletar dados sobre o estresse.

Atualmente, o UK Dementia Research Institute Care Research & Technology Centre no Imperial College London está conduzindo um segundo estudo sobre o dispositivo. Se tudo correr bem, eles esperam oferecer aos pacientes com demência a oportunidade de continuar vivendo em seu ambiente familiar, criando um serviço de “casa inteligente” chamado Minder.

O teste usando SmartSocks envolve 15 pessoas com demência que vivem em casa. Simultaneamente, as instalações de enfermagem e assistência em todo o Reino Unido estão testando os dispositivos em residências administradas pela Southern Healthcare. As “SmartSocks”, se usadas por pessoas com demência, transtornos do espectro do autismo e algumas dificuldades de aprendizagem, podem não apenas melhorar a qualidade de vida, mas também reduzir os custos de saúde e assistência social, de acordo com seus criadores.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2023 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.