Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Rússia x Otan e Ucrânia

Irã acusa EUA de jogar gasolina no fogo da guerra

Publicado

Foto/Imagem:
Iliya Tsukanov/Via Sputniknews - Foto de Arquivo

A aliança ocidental realizou várias ondas de expansão para o leste, engolindo todos os ex-membros do extinto Pacto de Varsóvia, três repúblicas da antiga União Soviética e quatro ex-repúblicas iugoslavas. Antes da escalada da crise em fevereiro, autoridades do bloco haviam dito repetidamente que a adesão ucraniana era um acordo fechado.

Essa expansão incessante da Otan em direção à Rússia e o desrespeito do Ocidente pelas considerações de segurança de Moscou são responsáveis ​​pela crise na Ucrânia, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, Saeed Khatibzadeh.

“Achamos que a raiz do que vemos hoje está na expansão [da OTAN] e na ignorância das realidades da Europa – ignorância das considerações políticas e de segurança de vários países, especialmente a Rússia, bem como acordos que foram concluídos décadas atrás”, disse Khatibzadeh ao Sputnik.

O porta-voz disse que o Irã pretende retomar seu esforço de mediação entre Moscou e Kiev, observando que Teerã “poderá contribuir tanto quanto pudermos e na medida em que ambos os lados estiverem preparados. A República Islâmica do Irã, se Deus quiser, começará uma nova rodada de seus esforços” para resolver o conflito.

Khatibzadeh enfatizou que tanto Moscou quanto Kiev levam a sério a ideia da mediação iraniana. Ao mesmo tempo, ele observou que a crise na Ucrânia não destruiu os laços “estratégicos” entre Moscou e Teerã.

“As relações entre o Irã e a Rússia são de natureza estratégica e não permitiremos que nenhum problema destrua esse relacionamento. Tentaremos usar essas relações estratégicas com Moscou e nossas boas relações com Kiev para acabar com este conflito e os danos que os povos desta região e a própria região estão sofrendo”, disse Khatibzadeh.

O Irã vem pressionando por um cessar-fogo e uma solução “política e democrática” para a crise na Ucrânia desde fevereiro, ao mesmo tempo em que expressa um firme acordo com as preocupações de Moscou sobre a expansão da Otan.

Em março, o líder supremo Ali Khamenei disse que a República Islâmica gostaria de ver uma suspensão imediata dos combates, mas criticou o “regime mafioso” dos EUA por se intrometer nos assuntos da Ucrânia, dizendo que era a “causa raiz” da crise atual.

Publicidade
Publicidade