Curta nossa página


Portas do Inferno

Irã anuncia 100 mil mísseis para Hezbollah atacar Israel

Publicado

Autor/Imagem:
Bartô Granja, Edição - Foto Divulgação

Ao menos 100 mil mísseis estão prontos para atacar Israel no caso de qualquer provocação contra o Líbano e o Hezbollah, alertou nesta sexta, 5, o comandante da Guarda Revolucionária Islâmica, Hossein Salami.

“No Líbano, dezenas de milhares, até mais de cem mil mísseis estão prontos para serem disparados para criar um inferno para os sionistas no momento de fazer a predestinação divina acontecer”, disse Salami em um discurso em Teerã.

Na fé muçulmana xiita, ‘predestinação divina’ refere-se a eventos que Allah sabe que ocorrerão, mas não necessariamente os controla.

Alertando Tel Aviv que “a juventude do Hezbollah está com os dedos no gatilho”, Salami enfatizou que o grupo militante libanês colocaria Israel de joelhos no caso de qualquer crise, e que seu líder, Hassan Nasrallah, está “contra os sionistas” com “determinação.”

“Basta que o regime sionista cometa um erro, uma operação em Holy Quds seria suficiente”, disse Salami, referindo-se a Jerusalém, onde as tensões entre as autoridades israelenses e os palestinos permanecem delicadas e ocasionalmente se transformam em violência.

Os comentários incendiários do comandante do IRGC vêm no contexto de uma grande escalada em Gaza, onde os militares israelenses lançaram a ‘Operação Amanhecer’ visando a Jihad Islâmica Palestina (PIJ) na sexta-feira. O grupo militante confirmou que seu líder Taisir Jabari foi morto nos ataques.

Os militares israelenses disseram que lançaram o “ataque preventivo em resposta” a ameaças supostamente emanadas do grupo militante baseado em Gaza à segurança do Estado Judeu. A IDF estimou que seus ataques mataram “cerca de 15” combatentes inimigos e que a operação ainda não havia terminado. Funcionários do Ministério da Saúde em Gaza relataram uma pessoa morta e 15 feridas.

A PIJ respondeu dizendo a Israel para se preparar para a retaliação e alertando que “Tel Aviv estará entre os alvos”. Israel ativou seu sistema de defesa aérea Iron Dome, com abrigos antibombas abertos no sul do país e o Aeroporto Internacional Ben Gurion redirecionando o tráfego aéreo. Tel Aviv teria alertado o Hamas para ficar fora do conflito por meio de comunicações de mediadores egípcios e do Catar.

Os ataques israelenses ocorreram após dias de escalada de tensões sobre a prisão de Bassam al-Saadi, um membro sênior da Jihad Islâmica na Cisjordânia ocupada, na terça-feira. Eles também vêm vários meses antes das próximas eleições legislativas israelenses em novembro.

A última grande crise palestino-israelense ocorreu em maio de 2021, quando os militares israelenses lançaram um ataque à Faixa de Gaza e o Hamas e o PIJ dispararam milhares de foguetes contra o sul de Israel depois que as tensões aumentaram em Jerusalém Oriental por causa de uma decisão judicial. ordenando o despejo de famílias palestinas de suas casas, e a polícia israelense invadindo o complexo da Mesquita de al-Aqsa, um dos locais mais sagrados do Islã.

Cerca de uma dúzia de israelenses e pelo menos 230 palestinos foram mortos no conflito de maio de 2021, com mais de 3.000 palestinos e cerca de 100 israelenses feridos.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2023 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.