Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mundo

Irã compara ataque a um ‘tapa’ na cara dos americanos

Bartô Granja, Edição

O líder supremo do Irã, Ali Khamenei, classificou os ataques com mísseis noturnos às bases aéreas americanas  no Iraque como um “tapa” na cara dos Estados Unidos, enquanto comentava a pronta resposta da República Islâmica ao assassinato do general Qass Soleimani. Ele criticou a presença dos EUA na região como uma “fonte de corrupção”, argumentando que as forças americanas deveriam deixar o Oriente Médio.

Khamenei abordou especificamente o tópico de retomar as negociações nucleares com o “inimigo” de Teerã, afirmando que não há como isso ser feito, pois de outra forma “abriria caminho para o domínio dos EUA”. Ele ressaltou que entre os inimigos da República Islâmica estão os EUA, Israel e o “sistema arrogante” – uma aparente referência ao Ocidente em geral.

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Javad Zarif, ecoou a posição, argumentando que a avaliação americana dos ataques com mísseis de Teerã não deve se basear em “ilusões”, pois foram realizadas em “legítima legítima defesa”.

Irã tem ‘100 alvos à vista’
O Exército iraniano insistiu que os EUA deveriam retirar suas tropas do Oriente Médio , informou a emissora nacional. Em seguida, especificou que nenhum dos mísseis de Teerã mirando alvos dos EUA no Iraque foram interceptados, mas que o ataque matou 80 pessoas.

O mesmo relatório da TV indicava o número de mísseis lançados chegou a 15, afirmando que eles “danificaram gravemente” os helicópteros dos EUA e outros equipamentos militares. Segundo a TV estatal, o Irã tem outras 100 metas “à vista” caso os EUA avancem com medidas retaliatórias.

O porta-voz do governo iraniano Ali Rabiei disse no Twitter, sobre a operação: “Agradecemos a operação bem-sucedida da Guarda Revolucionária … Nunca desejamos guerra, mas qualquer agressão receberá uma resposta esmagadora”, afirmou Ali Rabiei.

‘O Irã não foi além do que era esperado’
Segundo Foad Izadi, professor de comunicação política da Universidade de Teerã, o Irã respondeu em espécie ao “ataque ilegal dos Estados Unidos”, dizendo que a República Islâmica agiu em legítima defesa, de acordo com a Carta da ONU.

“O Sr. Trump precisava aprender uma lição, ele está fora de controle e cabia ao Irã lhe ensinar uma lição”, afirmou Izadi, enfatizando que o Irã não busca um confronto militar com a América, mas se defenderá de acordo com o que é iraniano. “A resposta será proporcional ao que os EUA fizeram. Se os EUA atacarem o Irã novamente, o Irã responderá novamente “, observou o acadêmico.

Ele ressaltou que ficou surpreso ao ver as pessoas “torcendo nas ruas” após a resposta do Irã ao ataque de drones dos EUA a Soleimani, sugerindo que o público percebe bem o suficiente que um “criminoso” deve ser combatido.

“Muitas pessoas queriam ver isso e é isso que elas têm”, disse ele, assumindo que muitas pessoas em todo o mundo também podem estar comemorando.
“Se não houver punição por ações ilegais e comportamento criminoso, o criminoso repetirá esse tipo de comportamento novamente”, apontou Izadi. Ele ressaltou que a reação internacional deve ser positiva citando a “resposta muito proporcional” do Irã ao “assassinato ilegal do general iraniano “.

“O Irã não foi além do esperado. Isso é o que muitas pessoas esperavam, é o que muitas pessoas estavam dizendo ao presidente Trump – que se ele atacar o Irã, ele receberá uma resposta do Irã “, disse o professor.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente