Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mundo

Irã deixa EUA a ver navios e vende seu petróleo

Bartô Granja, Edição

O petroleiro iraniano Adrian Darya 1 chegou ao seu destino e vendeu seu petróleo, anunciou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, Abbas Mousavi. “O petroleiro chegou ao seu destino, o petróleo foi vendido”, disse Mousavi, sem contudo especificar o país de destino. Ele garantiu, porém, mas disse que o navio atracou na costa do Mediterrâneo.

Mousavi também expressou a esperança de que o Stena Impero, um petroleiro de bandeira britânica apreendido pelas autoridades iranianas no Estreito de Hormuz em julho por supostamente violar as regras marítimas e colidir com um barco de pesca iraniano, seja liberado em breve depois de passar pelas medidas legais necessárias . “Espero que os procedimentos sejam concluídos em breve e este navio-tanque seja liberado”, disse o porta-voz.

Na semana passada, o assessor de imprensa da embaixada russa em Teerã disse que sete tripulantes do Stena Impero deixaram o Irã. Mais cedo, o Irã disse que outros 16 tripulantes haviam sido instruídos a permanecer a bordo para que o navio pudesse deixar o porto depois de ser libertado.

No sábado, o conselheiro de segurança nacional do presidente americano Donald Trump John Bolton postou uma imagem de satélite supostamente mostrando o navio na costa da Síria. Na semana passada, foi relatado que o Adrian Darya 1 estava viajando para algum lugar entre Chipre e Síria, com o transponder desligado e sua localização exata desconhecida em meio às ameaças dos EUA de prender a embarcação comercial e sancionar qualquer país onde o navio atracasse.

No início da semana, o ministro das Relações Exteriores do Irã Mohammad Javad Zarif acusou os EUA de recorrerem a “chantagem direta” depois que a mídia norte-americana revelou que Washington havia tentado oferecer ao capitão do Adrian Darya 1 e aos capitães de outros navios comerciais iranianos em troca do dinheiro a entrega de seus navios sob custódia dos EUA, sob pena de sanções pessoais.

Sem renúncias
Também no domingo, uma autoridade americana anunciou que os EUA continuariam sua campanha de “pressão máxima” contra o Irã e disse que não seriam concedidas renúncias aos principais importadores de petróleo iraniano.

“Continuaremos a pressionar o Irã e, como disse o presidente [Trump], não haverá renúncia de qualquer tipo ao petróleo iraniano”, disse o secretário do Tesouro dos EUA para Terrorismo e Inteligência Financeira, Sigal Mandelker.

Em maio, os EUA descartaram as isenções concedidas a mais de meia dúzia de grandes compradores de petróleo iraniano e ameaçaram aplicar sanções aos compradores se eles continuassem fazendo negócios com a República Islâmica. A China tem sido o único grande comprador de petróleo iraniano a ignorar as sanções, embora também tenha reduzido as importações para cerca da metade de seus níveis pré-sanções.

Segundo Mandelker, as vendas iranianas de petróleo no exterior caíram substancialmente graças à pressão dos EUA. A autoridade disse que os EUA continuarão a impor sanções a quem comprar petróleo bruto iraniano.

Sem compromissos
Os EUA acusaram repetidamente o Irã de planejar “voltar atrás” a seus supostos compromissos de não permitir que Adrian Darya 1, anteriormente conhecido como Grace 1, navegasse para a Síria após sua libertação da detenção em Gibraltar no mês passado. Teerã sustenta que não fez promessas de que seu navio-tanque não iria para a Síria ou qualquer outro país e prometeu continuar a vender petróleo “para todo e qualquer comprador”.

O Grace 1 foi apreendido pelas autoridades de Gibraltar no início de julho, depois que o Reino Unido recebeu uma dica dos EUA, alegando que o navio planejava descarregar sua carga na Síria, violando as sanções da União Europeia contra o país devastado pela guerra. Gibraltar liberou o navio em meados de agosto, desafiando um pedido dos EUA de continuar a detenção, e a emissão do mandado americano de apreensão do navio.

Desde então, os EUA tentaram impedir que o navio-tanque descarregasse sua carga em qualquer lugar da região do Mediterrâneo e recentemente atualizaram seu aviso sobre as sanções do Irã que ameaçavam colocar na lista negra qualquer país, empresa ou indivíduo que prestasse serviços de reabastecimento a navios “transportando petróleo ou produtos derivados de petróleo do Irã.”

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente