Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Barril de pólvora

Irã e Israel trocam farpas em meio a tensão nuclear

Publicado

Foto/Imagem:
Ilya Tuskanov/Via Sputniknews - Foto Reprodução

Os governos arquirrivais de Teerã e Tel Aviv romperam relações diplomáticas em 1979 e desde então travam um conflito por procuração de décadas entre si. Nos últimos anos, Tel Aviv acusou Teerã de buscar a capacidade de armas nucleares. O Irã rejeitou essas alegações e apontou para o próprio status de Israel como o único estado suspeito de armas nucleares no Oriente Médio.

Nesta quarta, 7, autoridades iranianas e israelenses emitiram advertências consecutivas umas contra as outras em meio à escalada contínua das tensões sobre o programa de energia nuclear de Teerã.

Falando em um ‘jogo de guerra’ o comandante iraniano Gholam Ali Rashid enfatizou que o “regime sionista” (termo do Irã para Israel) representa a ameaça número um à segurança nacional iraniana.

Apontando para comentários recentes de “oficiais sionistas criminosos” ameaçando atacar as instalações nucleares do Irã, o oficial sugeriu que Tel Aviv estava fazendo as ameaças em coordenação com Washington.

Rashid alertou que o Irã daria uma resposta “decisiva” e “proporcional” a quaisquer ameaças e disse que quaisquer “elementos, mercenários ou governos” cooperando com Tel Aviv no assédio à segurança nacional da República Islâmica seriam obrigados a “pagar um preço”.

Separadamente, em um post nas mídias sociais na terça-feira, o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas iranianas, Mohammad Baqeri, acusou os Estados Unidos de tentar “compensar” a recente retirada de seus ativos navais do Oriente Médio “conectando a região usurpada pelo regime sionista” ao CENTCOM, o comando de combatentes dos EUA responsável pelas operações militares americanas no Oriente Médio.

“O significado desta ação é que, do nosso ponto de vista, a espionagem e até as capacidades operacionais dos Estados Unidos e seus aliados estarão à disposição do regime sionista ocupante, e isso aumentará a ameaça ao nosso amado país, disse Baqeri.

“Além dos anúncios escritos, advertências e mensagens transmitidas através do Ministério das Relações Exteriores aos países que hospedam o Exército dos EUA, declaramos e continuamos a declarar nossa preparação expandindo a presença, expandindo as patrulhas aéreas e navais, aprofundando o domínio da inteligência e mantendo vários jogos de guerra navais, mísseis e drones”, acrescentou o comandante.

Na terça-feira, o primeiro-ministro israelense Yair Lapid fez uma visita fotográfica a uma base militar no sul de Israel, onde, enquanto estava no cenário de um caça F-35, ele alertou Teerã para não “testar” Tel Aviv na questão nuclear.

“Ainda é muito cedo para saber se realmente conseguimos interromper o acordo nuclear, mas Israel está preparado para todas as ameaças e todos os cenários”, disse Lapid. “Se o Irã continuar a nos testar, descobrirá o longo braço e as capacidades de Israel. Continuaremos a agir em todas as frentes contra o terrorismo e contra aqueles que procuram nos prejudicar”.

O primeiro-ministro alertou que ele e o presidente dos EUA, Joe Biden, “concordaram” que Israel mantém a “total liberdade de agir como acharmos adequado para evitar a possibilidade de o Irã se tornar uma ameaça nuclear”.

Israel desempenhou um papel instrumental nos bastidores para conseguir que os Estados Unidos se retirassem do acordo nuclear do Plano de Ação Abrangente Conjunto – que ofereceu alívio das sanções ao Irã em troca de restrições às suas atividades de enriquecimento e armazenamento de urânio, em 2018.

Após o presidente Biden assumiu o cargo em 2021 e anunciou negociações sobre a volta dos EUA ao acordo, Tel Aviv pressionou a Casa Branca para não renovar o acordo e alertou que manteria a liberdade de agir como bem entender contra o Irã, independentemente de qualquer acordo.

No ano passado, o governo israelense aprovou um fundo especial de US$ 1,5 bilhão dentro do orçamento de defesa do país para fazer os preparativos para atacar as instalações nucleares do Irã. Em maio de 2022, os EUA e Israel realizaram exercícios conjuntos simulando um ataque a alvos nucleares iranianos.

Teerã alertou Tel Aviv e Washington para não brincar com fogo e ameaçou usar seus mísseis balísticos e de cruzeiro convencionais para atacar alvos dentro de Israel em caso de agressão. O Pentágono estima que o estoque de tais armas do Irã chegue a “milhares”, e que os aliados iranianos no Líbano e na Síria possuam capacidades adicionais substanciais.

Israel passou bem mais de uma década acusando o Irã de tentar obter armas nucleares, anunciando várias vezes por ano que Teerã pode estar prestes a adquirir a tecnologia e o material físsil necessários para fazê-lo. Em um discurso agora famoso na Assembleia Geral das Nações Unidas em setembro de 2012, o ex-primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu exibiu um desenho de uma bomba de desenho animado demonstrando que o Irã estava no “estágio final” antes de receber a bomba. Uma década depois, a República Islâmica ainda não o fez.

O Irã rejeitou que tem planos de construir armas nucleares, e o falecido líder supremo aiatolá Ruhollah Khomeini e seu sucessor, o aiatolá Ali Khamenei, emitiram decretos religiosos proibindo as armas destrutivas e todas as outras armas de destruição em massa. Autoridades israelenses e falcões dos EUA rejeitaram o decreto como uma mera “trapaça”.

Publicidade
Publicidade