Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Linha vermelha

Irã já tem urânio enriquecido para produzir bomba nuclear

Publicado

Foto/Imagem:
Bartô Granja, Edição - Foto de Arquivo

O Irã, os EUA, a Rússia, a China e as principais potências europeias passaram mais de um ano negociando a possível restauração do acordo nuclear de 2015 com o Irã, que os EUA abandonaram unilateralmente em 2018. As negociações atingiram um obstáculo depois que os EUA designaram a Guarda Revolucionária do Irã como um grupo “terrorista”.

Em meio ao impasse, o Irã correu contra o empo e já tem as condições necessárias para construir uma arma nuclear, afirma David Albright, ex-inspetor de armas das Nações Unidas que se tornou presidente do Instituto para Ciência e Segurança Internacional.

“O Irã cruzou um novo e perigoso limiar; a linha do tempo de fuga do Irã está agora em zero. Ele tem 60% de urânio enriquecido ou urânio altamente enriquecido suficiente para ter certeza de que poderia criar um explosivo nuclear”, escreveu Albright em um relatório reservado.

“Se o Irã quisesse enriquecer ainda mais seus 60% poderia fazê-lo dentro de algumas semanas com apenas algumas de suas cascatas de centrífugas avançadas”, alertou.

O analista estima que o Irã poderia produzir urânio para armas suficiente para construir um segundo dispositivo nuclear em um mês e um terceiro em um mês e meio.

Lembrando um relatório da Agência Internacional de Energia Atômica sobre as atividades atômicas do Irã, que mencionava suposto material nuclear não declarado em três locais, Albright aconselhouos EUA e seus aliados a não restaurar o tratado Ocidente-Iraniano e, em vez disso, sugere que era “hora de reconhecer que apenas o tipo mais duro de pressão, semelhante ao que a Rússia tem hoje, vai convencer o Irã a não construir armas nucleares”.

O Irã, que há muito nega quaisquer planos de construir uma arma nuclear, criticou o documento da AIEA como um relatório injusto e desequilibrado que “não reflete a realidade das negociações entre o Irã e a AIEA”.

Falando ao Iran International, um canal de notícias relacionado ao Irã patrocinado pela Arábia Saudita, Albright admitiu que “não sabemos com que rapidez o Irã poderia fabricar armas nucleares hoje”. Ele acrescentou, no entanto, que “pode não ser tão longo quanto alguns argumentaram”.

“Eles podem optar por fazer um explosivo nuclear bruto para detonar no subsolo ou acioná-lo grosseiramente por meio de métodos brutos, como caminhão ou navio. Isso pode acontecer ao longo de vários meses, menos de seis meses. Eles podem querer, por outro lado, focar apenas na construção de uma ogiva para um míssil balístico que poderia levar mais tempo, um ano ou dois. Então, novamente, o crítico é que eles atingiram o objetivo”, disse.

Ele recomenda uma campanha internacional de pressão contra o Irã semelhante à campanha de “pressão máxima” de Donald Trump, mas “muito mais” severa.

Autoridades iranianas descartaram a campanha de pressão do governo Trump ao longo dos anos caracterizando-a como um “fracasso máximo” da política dos EUA e enfatizando que a República Islâmica não seria intimidada à submissão.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, Saeed Khatibzadeh, criticou os EUA e seus aliados por suas recém-descobertas “preocupações” sobre as supostas atividades nucleares do Irã. O porta-voz enfatizou que o programa nuclear do Irã era de natureza pacífica e acusou o Ocidente de tentar usar o relatório da AIEA e a próxima reunião do conselho de governadores da AIEA de 6 de junho como “alavancagem e ferramentas” para “jogos políticos contra o Irã”.

Autoridades iranianas passaram mais de um ano negociando com o governo Biden sobre a restauração do JCPOA, que Washington rasgou unilateralmente em 2018. Quando não conseguiram frear o Irã, a República Islâmica começou a enriquecer urânio além dos limites delineados pelo JCPOA. Teerã prometeu reduzir suas atividades de enriquecimento se o acordo for restaurado.

Israel, que pressionou fortemente Trump para sair do JCPOA, alertou repetidamente que não cumprirá nenhum acordo renovado sobre o programa nuclear da República Islâmica e ameaçou tomar medidas unilaterais, incluindo ataques aéreos e de mísseis contra o Irã. apesar das preocupações publicamente expressas de alguns ex-funcionários sobre a resposta inevitável do Irã.

Publicidade
Publicidade