Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mulheres, crianças, idosos...

Israel prende mais palestinos em condições degradantes

Publicado

Foto/Imagem:
Elizabeth Blade/Via Sputniknws - Foto Reprodução

Em meio às suas operações na Cisjordânia, as forças de segurança de Israel tomaram de assalto uma vila de Burqin, perto de Jenin, no fim de semana, prendendo palestinos suspeitos de atividades terroristas. Uma operação semelhante também foi realizada na cidade de Hebron, na Cisjordânia, onde vários palestinos foram capturados e suas armas apreendidas.

Desde o início de 2022, o estado judeu prendeu 2.140 palestinos, principalmente nas cidades de Jerusalém e Jenin, elevando o número total de presos para mais de 4 mil.

Muitas dessas prisões ocorreram em abril, quando vários palestinos entraram em confronto com as forças de segurança israelenses em Jerusalém por conta de violações de Israel no Monte do Templo, uma colina que abriga a mesquita de Al Aqsa, o terceiro local mais sagrado para os muçulmanos.

Sahar Francis, diretor-geral da Addameer, uma ONG que luta pelos direitos dos presos palestinos, diz que aqueles que foram presos estão detidos em condições precárias. “Essas pessoas são vítimas de assédio diário. Seus direitos básicos são violados e enfrentam tratamento degradante”.

Em 2015, um relatório do Knesset descobriu que prisioneiros palestinos estavam sendo mantidos em celas lotadas , com cada detento ocupando curtos espaços de dois metros quadrados. Além disso, o estudo revelou que eles foram privados de visitas frequentes e que seu direito à assistência médica foi restringido.

Addameer também tem uma longa lista de reclamações contra as autoridades penitenciárias israelenses pela maneira como lidam com prisioneiros palestinos doentes. De acordo com os dados fornecidos pela ONG, as prisões israelenses abrigam agora mais de 600 palestinos doentes, incluindo 22 presos com câncer, alguns com tumores. O fato de não receberem o tratamento tão necessário como resultado de “negligência médica israelense” pode custar-lhes a vida, afirma Francis.

Outra fonte de preocupação é o estado psicológico desses internos. Em 2021, Israel aumentou o número de prisioneiros colocados em confinamento solitário após a fuga de seis prisioneiros da prisão de Gilboa, no norte de Israel, em setembro de 2021. “Além do confinamento solitário, Israel também decretou uma série de penalidades coletivas ilegais impostas a todos os prisioneiros palestinos”, disse um comunicado divulgado por Addameer.

“Ele (governo israelense) impôs bloqueios de todas as seções da prisão, fechou cantinas e transferiu à força mais de 350 presos [de Gilboa] para locais desconhecidos em Israel … Também emitiu cerca de 400 ordens de detenção administrativa contra estudantes, mulheres, jornalistas, crianças e idosos, [permitindo] que as autoridades israelenses mantenham esses palestinos sem acusações ou julgamento legal”, acrescentou o comunicado.

Vencer o sistema?
Francis diz que sua organização tem se esforçado para atender às necessidades dos presos palestinos. Eles vêm aumentando a conscientização sobre seus direitos em arenas locais, regionais e internacionais. Eles têm travado suas batalhas no tribunal. No entanto, o ativista diz que é difícil vencer o sistema.

“Todo o sistema é projetado para manter a opressão e o controle, e isso inclui os órgãos de investigação que são responsáveis ​​por verificar nossas denúncias sobre tortura e maus tratos.”

“Essas queixas são sempre negadas. Os casos são encerrados por causa do que Israel chama de provas insuficientes”, continuou ela.

Israel conta uma história bem diferente. Para as autoridades em Jerusalém, os palestinos detidos nas prisões israelenses são terroristas, muitos dos quais têm sangue nas mãos. No entanto, o estado judeu afirma que tem tratado seus internos com respeito e cuidado, fornecendo-lhes tudo, desde liberdade religiosa e educação até refeições decentes e assistência médica.

O trabalho de Addameer foi tratado como pura propaganda palestina destinada a deslegitimar o Estado judeu e prejudicar sua posição regional e internacionalmente.

Publicidade
Publicidade