Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Premiê derrubado

Khan mobiliza Paquistão tentando voltar ao poder

Publicado

Foto/Imagem:
Ekaterina Bilinova/Via Sputniknews - Foto Pavlo Palarmachuk

O ex-primeiro-ministro Imran Khan continua uma campanha nacional para eleições antecipadas após sua deposição por meio de um voto de desconfiança no início deste mês. Em 21 de abril, o partido Tehreek-e-Insaf (PTI), realizou um grande comício em Lahore, com Khan chamando seus apoiadores para resistir ao “governo importado” de Shebhaz Sharif.

Após a deposição de Khan por meio de um voto de desconfiança na Assembleia Nacional em 9 de abril, o parlamento paquistanês de 342 assentos deu 174 votos em 11 de abril para Shehbaz Sharif, líder da Liga Muçulmana Paquistanesa-Nawaz (PML-N), para se tornar o novo primeiro-ministro do país. Imran Khan, presidente do partido Paquistão Tehreek-i-Insaf (PTI), argumenta que sua remoção não passou de um golpe de estado apoiado pelos EUA . Ele cita uma “carta de ameaça” supostamente chantageando Islamabad para removê-lo do poder. O presidente do PTI lançou uma série de comícios em todo o país , galvanizando centenas de milhares e pedindo eleições antecipadas.

Imran Khan está promovendo uma ideia de independência do Paquistão das grandes potências. Embora o país esteja enfrentando obstáculos econômicos, incluindo inflação crescente, a ideia de soberania ressoou fortemente com milhões de paquistaneses, segundo o cientista político Sabtain Ahmed Dar.

Dar observa que durante a manifestação de Lahore, o líder do PTI obrigou seus compatriotas a “não viverem como escravos dos Estados Unidos”. Khan destacou que um muçulmano não pode ter uma mentalidade de escravo; que um muçulmano deve obedecer a Deus, não ao establishment dos EUA. Ao mesmo tempo, o ex-primeiro-ministro ressaltou que o Paquistão deve estar pronto para manter relações com todas as nações com base no princípio da igualdade.

“A principal mensagem de Imran Khan para o público é condenar a conspiração dos EUA contra ele e dar as mãos ao público para obrigar o governo apoiado pelos EUA a ter eleições antecipadas”, diz Dar.

Além de comícios em todo o país, Imran Khan também instrumentalizou plataformas de mídia social para promover sua agenda. Em 20 de abril, o chefe do PTI realizou sua primeira sessão de áudio no Twitter Spaces, reunindo meio milhão de pessoas de todo o mundo, informou o Daily Pakistan , citando o líder do PTI Arslan Khalid. “Um máximo de 162.000 ouvintes ao mesmo tempo, enquanto 500.000 sintonizaram durante a sessão de uma hora”, tuitou Khalid.

“É verdade que a principal luta de Imran Khan será através da mídia social, pois da grande mídia no Paquistão ele foi marginalizado desde que a oposição chegou ao poder”, diz Dar. “A grande mídia no Paquistão não está cobrindo seus comícios públicos. Recentemente, ele quebrou recordes globais no Twitter Space por receber quase 165 mil ouvintes. Em média, ele está recebendo 100 mil a 200 mil reações em cada uma de suas postagens no Facebook, o que é um número enorme”.

Por sua vez, o novo governo paquistanês está tentando frustrar a popularidade de Khan apresentando acusações de corrupção contra ele, segundo o cientista político. Em particular, o partido governista do país acusou Khan de irregularidades financeiras, bem como de roubo de mais de US$ 1,6 milhão de fundos nacionais e estrangeiros.

“Esta questão já havia sido trazida à tona no caso de financiamento externo da Comissão Eleitoral do Paquistão”, diz Dar. “De acordo com o relatório apresentado pelos investigadores aos juízes do PEC, um extrato bancário do Banco do Estado do Paquistão (SBP) revelou que o PTI recebeu Rs 1,64 bilhão em recursos”.

Publicidade
Publicidade